Venho pesquisando e estudando o assunto blockchain já algum tempo.

Para mim está claro que o mais importante é pensar no potencial disruptivo que ele oferece, que se concentrar na tecnologia em si. Blockchain não é um produto que você simplesmente liga e ele começa a funcionar. Seu potencial está no que ele pode oferecer para que novos e inovadores produtos e serviços sejam construídos.

Hoje já exploramos o potencial dos apps e das inúmeras inovações possibilitadas por eles, sem nos preocuparmos com a complexidade do que é necessário para um app funcionar no seu smartphone. A mesma coisa vale para blockchain. Os meandros e desafios de navegar na sua tecnologia, ainda incipiente, é uma tarefa para os desenvolvedores, mas os CEOs e CIOs devem se concentrar nas possibilidades potenciais que o blockchain pode gerar.

Para perceber seu potencial, é preciso compreender seus conceitos, filosofia e princípios.

Blockchain nos fornece uma nova maneira de estabelecer confiança entre transações no mundo digital, uma vez que, com ele, é possível assegurar que alguma coisa é a cópia original de algo na Internet.  Uma vez que a informação é gravada em um blockchain, para todos os efeitos, é impossível voltar e mudá-la retroativamente.

Ao registrar as transações como uma atividade automatizada confiável entre os pares em uma rede, blockchain tem potencial para simplificar e acelerar os processos de negócios, reduzindo ou eliminando intermediários como autoridades centralizadas.

É um novo pensar, que rompe com os paradigmas atuais que demandaram a criação e negócios como tabeliões, bancos e entidades certificadoras. Desafia muitos dos atuais modelos de negócio.

A convergência de tecnologias como blockchain e a criatividade podem nos levar a mudanças radicais nos nossos modelos de negócios e estruturas organizacionais.

Estamos ainda no início da curva de aprendizado de blockchain e temos muitos desafios pela frente, que vão desde tecnologias imaturas a falta de provas concretas que tais transformações possam realmente funcionar.

O impacto potencial do blockchain será profundo, afetando não apenas empresas, mas governos.

Blockchain, por permitir mais transparência nos contratos, novas formas de engajamento da sociedade com seus governos, pode contribuir para, entre outras coisas, diminuir significativamente a corrupção. Um estudo do World Economic Forum estima que o custo da corrupção global esteja na casa dos US$ 2,6 trilhões. Isso é mais que 5% do PIB global!

Portanto, blockchain nos abre um potencial novo cenário que não deve ser minimizado ou ignorado.

É verdade que blockchain ainda permanecerá meio misterioso, meio incompreensível ainda por uns 2 a 3 anos, mas vai achar seu espaço e provocar disrupções.

Por isso, sugiro olhá-lo mais que apenas uma tecnologia inovadora, mas como uma estratégia. E, não considera-lo, em absoluto, um projeto de TI, mas um projeto que vai afetar o futuro dos seus negócios. Deve ser um assunto a ser tratado pelos executivos C-level das organizações.