Imagine que um empresáriodisponha de R$1 milhão para investir em imóveis e esteja avaliando duas alternativas.Uma é comprar uma propriedade no valor total disponível,em uma região que já esteja no limite de sua valorização e na qual a relação entre o valor do aluguel e o preço do imóvel é de 1%. Nesse caso, ele receberiaR$ 10 mil por mês de retorno sobre o investimento.A segunda alternativa é comprar dois imóveis por R$ 500 mil cada,em uma região que ainda tenha potencial de valorização e ovalor do aluguel de 0,7% sobre o preço dos imóveis, o que totalizaria R$ 7 mil por mês de retorno sobre o investimento.

Muitos empresários atualmente, acreditam que lucro em suas empresas seja o mais importante, mas quando estas escolhas lhes são apresentadas para estes empresários, para a surpresa de todos, eles decidem pelos dois imóveis de R$500 mil. Espere um pouco! O lucro não é importante para eles? Sim, é importante, mas o potencial de valorização é ainda mais, pois pode aumentar muito mais o retorno financeiro com o tempo.

Esse exemplo ilustra casos muito comuns atualmente de divergência entre o olhar empresarial e a visão do investidor. Muitos ainda acreditam que o sucesso de um negócio é medido pelo lucro epara aumentá-lo o máximo possível cortam investimentos em áreasque julgam “desnecessárias” como controles internos, auditoria, riscos corporativos, compliance e tecnologia, por exemplo. Afinal, essas áreas não fazem parte do core business.
Do outro lado da moeda, especialmente nas empresas de capital aberto, o valor para o investidor está diretamente associado a confiança, imagem e percepção do mercado. É claro que o lucro nunca deixará de ser importante, mas a reputaçãoda companhia pode trazer um retorno para o acionista muito maior do que os dividendos.

Um dos desafios para osgestores é entender que apesar do lucro ser importante, o investidor para o qual ele trabalha também quer a valorização da empresa. No exemplo do aluguel, a redução doretorno imediatopode ser comparadaao investimento na área de Riscos ou Compliance.No primeiro momento vai reduzir o retorno, pois há custos envolvidos, mas assim como o imóvel tem perspectiva de valorizar e trazer retorno maior no futuro, a gestão mais ampla e adequada irá trazer confiança para o investidor e transparência para a sociedade e isso certamente valorizará a empresa no futuro.

Para ter melhor imagem e inspirar confiança, existem alguns caminhos que devem ser seguidos. Quase todos envolvem um ambiente de gestão bemcontrolado, com riscos corretamente e devidamente mapeados,ações para preveni-los eplanos para remediá-los caso venham a se materializar.
Isso indica claramente que os recursos utilizadosnas áreas decontroles internos, riscos corporativos ou auditoria não podem ser considerados custos, mas, sim, investimentos. Estarassociadoa companhias com boa reputação no mercado e, por consequência,ter uma boa imagem perante a sociedade traz novas oportunidades de negócio, multiplicando resultados.

 

Maurício Baldin

Gerente da PwC Brasil