Os baixos níveis dos reservatórios, as chuvas abaixo da média e a necessidade de acionar termoelétricas vão levar o governo brasileiro a aumentar o preço da energia. No início de outubro as hidrelétricas do Sudeste/Centro-Oeste, por exemplo, tinham só 19,54% de sua capacidade; as do Nordeste, 7,22%. A situação é tal que se estuda, inclusive, aumentar a importação de energia de países vizinhos como Argentina e Uruguai. Essa realidade tem forte impacto sobre indústrias petroquímicas, de aço, de alumínio e, como não poderia deixar de ser, sobre os data centers.

Em 2018, será essencial que os gestores desses grandes ambientes digitais contem, em casa, com os produtos e serviços que os ajudarão a minimizar o impacto do preço da energia sobre o valor dos seus serviços. A competitividade e excelência de cada data center depende desta equação ser bem resolvida. Este fator é tão dramático que pode efetivamente impactar as chances de crescimento da economia brasileira em 2018 – especialmente dos setores que já vivem a transformação digital e o uso da computação em nuvem como uma base fluida para a inovação nos negócios.

Nos EUA, os data centers usam aproximadamente 2% da energia elétrica gerada no país; um data center típico tem uma intensidade de uso de energia equivalente à de 100 a 200 edifícios comerciais. A boa notícia é que o uso de energia nos data centers mais eficientes pode ser até 80% menor do que o que ocorre com data centers ineficientes (dados do relatório US Department of Energy, 2016).

Para aumentar a eficiência energética do data center, uma das principais frentes de batalha é apostar em serviços e soluções de controle de temperatura (cooling) desenhadas para esta nova era energética. É bom lembrar que, hoje, até 37% do consumo enérgico de um data center pode vir dos sistemas de ar condicionado, infraestrutura essencial para o bom funcionamento do data center e o suporte à continuidade dos negócios dos clientes.

Serviços de otimização do controle térmico do data center podem reduzir o consumo energético em até 50%. Em tempos de aumento da conta de luz, esse é um ganho que vale a pena ser analisado.

Trata-se de uma oferta consultiva que parte da constatação de que os sistemas térmicos se tornaram cada vez mais complexos – algo natural, já que os ambientes de data center estão em constante transformação. O assessment deste ambiente demanda profissionais com grande experiência técnica e profundo conhecimento das complexas relações entre os vários elementos do data center (servidores, UPS, unidades de refrigeração, etc.) É fundamental trabalhar em paralelo: qualquer mudança na capacidade computacional do data center deve ser acompanhada por ações que promovam o uso excelente da energia (eficiência energética). Embora uma parte dos serviços de otimização de refrigeração e de consumo de energia possa ocorrer de forma remota, a partir da monitoração do data center, é fundamental inserir nesta receita de serviços, também, visitas ao site que demanda ajustes e, em alguns casos, treinamento dos profissionais que operam este site.

Diante do iminente aumento das despesas com energia, é cada vez mais importante que o gestor do data center instalado no Brasil consiga ajustar a refrigeração de modo a operar com eficiência máxima. O uso de controles inteligentes leva às múltiplas unidades térmicas de um data center uma gestão de alto nível, comprometida com o atingimento das metas de eficiência energética que marcarão o país e as empresas em 2018.