O Seminário Cultura de Dados na Gestão Cultural será um encontro entre profissionais de diferentes áreas que integram o universo do uso de
dados com aplicações no universo da gestão cultural. Propõe-se abordar aspecto sobre cultura de dados e sua importância para a gestão
cultural em um contexto de produção de grandes volumes de dados e informações, assim como possibilitar a otimização da gestão cultural
através do uso de dados, em uma sociedade a cada dia mais conectada.

No dia 29 de novembro, das 9h30 às 17h, a programação reunirá, no Teatro do Oi Futuro, no Flamengo, nove especialistas de diferentes áreas
que integram o universo do uso de dados e da gestão cultural, como gestão, economia, design e artes visuais, sociologia, estatística, ciência de
redes e de dados, e atuação em diferentes etapas do processo de uso e análise de dados, apresentando um panorama sobre a temática.
Vivendo em um momento em que o uso estratégico de dados passa a ocupar espaço cada vez maior em diversas áreas, a realização do
Seminário Cultura de Dados na Gestão Cultural tem como objetivos criar um espaço de reflexão sobre as contribuições que o uso de dados
tem trazido para a realização de melhorias relevantes em processos e resultados para diferentes perfis de instituição; apresentar a cultura de
dados - para uma instituição e/ou projeto - como importante caminho para a otimização de mudanças estratégicas internas e externas;
oferecer informações que ajudem a apoiar a aproximação e adesão de gestores de instrumentos e informações estruturadas no cotidiano da
gestão de instituições e projetos em um mundo hiperconetado e competitivo; e estimular a reflexão sobre busca pelo desenvolvimento de um
nível básico de competências de análise de dados para profissionais e instituições culturais, ademais aquelas que hoje já se beneficiam de seu
uso. Entendendo sempre que são as pessoas os elementos-chave para construir e manter uma cultura de dados.

Para isso, é proposta uma programação que reunirá especialistas com formações diversas e atuação em diferentes áreas e etapas do processo
de uso de dados, apresentando um panorama sobre a temática. Desta forma, o Seminário está estruturado em três painéis temáticos
abordando aspectos como:

  • a importância da institucionalidade em um ambiente em que o conhecimento torna-se um dos principais ativos das instituições e pode
    contribuir para o desenvolvimento de uma cultura de dados perene e orientada ao ingresso em uma sociedade do conhecimento
    (Painel 1);
  • a necessidade de conhecimento e adesão a metodologias como recursos que favoreçam o alcance do que se necessita e pretenda
    apoiado no uso dos dados pelas instituições (Painel 2); e
  • a contribuição dos dados e indicadores como base e instrumentos de um processo gerencial e político pautado em referenciais
    analíticos estratégicos, considerando diferentes formas de apresentação/visualização (Painel 3).

O Painel 1 Dados e Gestão Cultural: um Panorama na Sociedade do Conhecimento, programado para às 9h30, tem a proposta de abordar a
importância da institucionalidade em um ambiente em que o conhecimento torna-se um dos principais ativos das instituições e pode
contribuir para o desenvolvimento de uma cultura de dados perene e orientada ao ingresso em uma sociedade do conhecimento. As três
apresentações consideram abordagens sobre: as fontes de dados utilizadas pelo OCA (Observatório Brasileiro do Cinema e do Audiovisual),
refletindo a amplitude de sistemas de coleta de informações de mercado na Ancine; a importância e os benefícios competitivos do uso de
dados e informação na Sociedade do Conhecimento, em um ambiente de grandes volumes de dados e conectividades; e a importância das
institucionalidades para a gestão e as políticas culturais com vistas ao desenvolvimento do campo orientado pelo ingresso em uma sociedade
do conhecimento.

Comporão este Painel, respectivamente em relação às abordagens citadas acima:

Cainan Baladez - OCA/ANCINE | Graduado em Direção Teatral na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, atuou como
gestor cultural em organizações como SESI-SP e Instituto Sou da Paz. Dirigiu curtas-metragens que participaram de mais de 100 festivais
nacionais e internacionais, ganhando mais de 50 prêmios. Em 2014, tornou-se Especialista em Regulação da Atividade Cinematográfica e
Audiovisual da Agência Nacional de Cinema e coordenador do Observatório Brasileiro do Cinema e do Audiovisual (OCA/ANCINE), na
Superintendência de Análise de Mercado.

Luana Rufino - OCA/ANCINE | Graduada em Economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2009) com Mestrado (2012) e Doutorado
(2017) em Economia, pela mesma instituição, com ênfase na Indústria do Audiovisual Brasileira. Tornou-se Especialista em Regulação da
Atividade Cinematográfica e Audiovisual da Agência Nacional de Cinema, em 2014. Tem experiência na área de Economia, com destaque em
Economia Industrial e Métodos Quantitativos. Foi Coordenadora de Monitoramento de Cinema, Vídeo Doméstico e Vídeo por Demanda, da
Superintendência de Análise de Mercado da ANCINE, desde 2015, tornando-se Superintendente de Análise de Mercado da ANCINE, em 2017.

Marcos Cavalcanti - CRIE/COPPE/UFRJ | Professor, pesquisador e palestrante. Coordenador do CRIE - Centro de Referência em Inteligência
Empresarial da COPPE/UFRJ e dos cursos de Pós-Graduação em Gestão do Conhecimento e Inteligência Empresarial MBKM (Master on
Business and Knowledge Management) e WIDA (Web Intelligence e Analítica de Dados), da COPPE/UFRJ. É Doutor em Informática pela
Université de Paris XI, membro do Board do New Club of Paris, editor da Revista Inteligência Empresarial e co-autor dos livros O Conhecimento
em Rede, Gestão de Empresas na Sociedade do Conhecimento, Gestão Eletrônica de Documentos e Que ferramenta devo usar.

Monica Lessa - UERJ | Professora dos Programas de Pós-Graduação em História (1999-2013) e de Relações Internacionais, desde 2009. Os
principais temas de interesse são Política Internacional, História das Relações Internacionais, Cultura e Comunicação nas Relações
Internacionais, com trabalhos sobre Política, Cultura e Instituições, no contexto nacional e internacional, desde os anos 1990. Procientista
desde 2002. Professora-visitante da Université Paris II (2006).

O Painel 2 Metodologias: Analisando e Compreendo os Dados, programado para às 13h, tem a proposta de abordar a necessidade de
conhecimento e adesão a metodologias como recursos que favoreçam o alcance do que se necessita e pretenda apoiado no uso dos dados
pelas instituições. As três apresentações consideram abordagens sobre: triangulação e métodos mistos em pesquisas sobre consumo cultural
(na Argentina); dados quantitativos, a importância da qualidade dos dados e metadados possibilitando o uso a partir dos variados métodos
quantitativos existentes e dos registros administrativos como fontes de dados; e aplicações de métodos estatísticos nas análises de dados
sobre o universo cultural com as experiências do OMCC&T/FioCruz (Observatório de Museus e Centros de Ciência e Tecnologia), apresentando
a viabilidade do uso de métodos estatísticos com dados sobre cultura.

Comporão este Painel, respectivamente em relação às abordagens citadas acima:

Juan Ignacio Piovani - Universidad Nacional de La Plata | Pesquisador, professor e palestrante convidado para eventos em diferentes países da
América Latina. É Diretor do PISAC (Programa de Investigación sobre la Sociedad Argentina Contemporánea), relacionado à análise abrangente
das múltiplas heterogeneidades sociais da Argentina contemporânea, que tem um módulo sobre Consumo Cultural. Tem Pós-doutorado em
Ciências Sociais, pela Universidad Nacional de Córdoba, e no Programa de Pós-graduação em Sociologia e Antropologia, pela Universidade
Federal do Rio de Janeiro. Doutor em Metodologia das Ciências Sociais e Políticas, pela Facoltà di Sociologia, Sapienza Università di Roma, e
Mestre em Métodos Avançados de Pesquisa Social e Estatística, pela School of Social and Human Sciences, City University London. Pesquisador
independente do Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Tecnológicas (CONICET), da Argentina, no Instituto de Pesquisas em
Humanidades e Ciências Sociais (IDIHCS, CONICET-UNLP) e no Centro Interdisciplinar de Metodologia das Ciências Sociais (CIMeCS). Em 2014,
recebeu o Premio Houssay, por suas contribuições teóricas e empíricas no campo da metodologia nas Ciências Sociais.

Maria Luiza Zacharias - IBGE | Gerente de Qualidade Estatística do IBGE, Professora Colaboradora do Programa de Pós-Graduação da ENCE
stricto sensu (Mestrado e Doutorado) ministrando as disciplinas de Métodos de Pesquisas e Levantamentos e Qualidade de Dados em
Pesquisas. Tem experiência nas áreas de Pesquisa de Marketing (Quantitativa e Qualitativa), Metodologia científica, Métodos de pesquisas e
levantamentos (Survey Methodology) e Qualidade Estatística. Especialista em métodos para realização de pesquisas e levantamentos, em
especial no desenho e teste de questionários. Doutora em Administração pelo Instituto Coppead de Administração, UFRJ, com ênfase em
Marketing e Operações de Serviços, e bacharel em Estatística pela Escola Nacional de Ciências Estatísticas.

Vanessa Guimarães - OMCC&T / Museu da Vida / Casa de Oswaldo Cruz / Fundação Oswaldo Cruz | Coordenadora do Núcleo de Estudos de
Público e Avaliação em Museus. Doutora em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, pesquisadora em saúde pública e
coordenadora do Núcleo de Estudos e Avaliação em Museus do Museu da Vida / Casa de Oswaldo Cruz / Fundação Oswaldo Cruz. Desde 1999,
desenvolve, coordena e orienta pesquisas e projetos nas áreas de implantação de centros e museus de ciência, exposições de divulgação
científica, educação não formal, estudos de público e avaliação em museus.

O Painel 3 Usos e Visualização de Dados, programado para às 15h15, tem a proposta de abordar a contribuição dos dados e indicadores como
base e instrumentos de um processo gerencial e político pautado em referenciais analíticos estratégicos, considerando diferentes formas de
apresentação/visualização. As três apresentações consideram abordagens sobre: visualização de dados e os meios de otimizar a apresentação
de dados e informações da área cultural de forma clara, mas também estética e visualmente agradáveis; as experiências do CETIC.br com o uso
de dados no Brasil e no mundo, especialmente no campo cultural, trazendo informações sobre o Projeto TIC Cultura; e a importância dos
dados na gestão cultural, para os negócios culturais e para suas relações interinstitucionais no contexto econômico.

Comporão este Painel, respectivamente em relação às abordagens citadas acima:

Barbara Castro - Ambos e LabVis/UFRJ | Artista-pesquisadora, programadora e designer, ligada às artes performáticas com produção
transdisciplinar. Doutoranda em Artes Visuais/Poéticas Interdisciplinares, na Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Fundou a Ambos&& com Luiz Ludwig, um estúdio experimental de arte, tecnologia e design com projetos criados para museus brasileiros
como Centro Cultural Banco do Brasil, Oi Futuro, entre outros. Mantém parcerias e colaborações com os grupos de pesquisa LabVis, NANO
e VISGRAF com sua pesquisa em arte e tecnologia apresentada na França, Dinamarca, Portugal, Colômbia e Brasil, em instituições como Museu
de Arte Moderna (RJ), Museu Nacional da República (DF), Instituto Inhotim (MG).

Fábio Senne - CETIC.br | Coordenador de Pesquisas do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação
(CETIC.br), que realiza desde 2016 a pesquisa TIC Cultura, com o objetivo de investigar a relação entre as práticas culturais e as tecnologias de
informação e comunicação (TIC). Doutorando em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (USP), Mestre em Comunicação pela Universidade de Brasília (UnB) e Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (USP). Foi um dos responsáveis técnicos pelas
análises de mídia temáticas realizadas pela Agência de Notícias dos Direitos da Infância (ANDI).

Patricia Zendron - BNDES | Gerente setorial do Departamento de Economia da Cultura do BNDES, departamento criado, em 2006, para
desenvolver instrumentos financeiros para os setores ligados à cultura, (especialmente audiovisual, editorial e games) e pelo programa de
apoio ao patrimônio cultural brasileiro, incluindo o desenvolvimento de novos modelos de sustentabilidade financeira das instituições culturais
brasileiras. Economista, com doutorado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, ingressou no BNDES por concurso, em 2002.
São mediadores dos Paineis, respectivamente:

Roberto Guimarães - Oi Futuro | Gestor Cultural.

Daniele Dantas - Doutoranda IBICT/ECO/UFRJ | Produtora cultural, desde 2003. Desenvolve pesquisa sobre ativos intangíveis e valor em
cultura no doutorado. Tem mestrado em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais (IBGE/ENCE) com pesquisa desenvolvida sobre construção
e utilização de indicadores na gestão cultural. Teve a dissertação selecionada no Programa Observatório Itaú Cultural de Economia da Cultura
2017, na categoria “Pesquisa Concluída”.

Manoel Friques - UNIRIO|Professor na Graduação em Engenharia de Produção (ênfase em Produção em Cultura), na UNIRIO. Doutor em
História (PUC-Rio), Mestre em Artes Cênicas (UNIRIO), Engenheiro de produção (UFRJ), possui atuação interdisciplinar em seus ensaios, artigos,
curadorias e projetos. Foi Visiting Scholar da Columbia Univeristy (2015-16).

Sobre o Realizador e Anfitrião do Seminário

O Oi Futuro, instituto de responsabilidade social da Oi, promove, apoia e desenvolve ações inovadoras e colaborativas, nas áreas de Educação,
Cultura, Inovação Social e Esporte, para melhorar a vida das pessoas e da sociedade.

Na área Cultural, o instituto atua como um catalisador criativo, impulsionando pessoas através das artes, estimulando a produção colaborativa
e promovendo o acesso à cultura na era digital. O Oi Futuro mantém um centro cultural no Rio de Janeiro, com uma programação que valoriza
a produção de vanguarda e a convergência entre arte contemporânea e tecnologia, além da gestão do Museu das Telecomunicações e de sua
Reserva Técnica, pioneiro no uso da interatividade no Brasil. O Instituto também realiza o Programa Oi de Patrocínios Culturais Incentivados,
que seleciona projetos em todas as regiões do país por meio de edital público.
www.oifuturo.org.br

Serviço:
Dia: 29 de novembro de 2017
Local: Teatro Oi Futuro - Flamengo
R. Dois de Dezembro, 63 - Flamengo | Rio de Janeiro
Vagas limitadas: 50 lugares
Pré-inscrição online com retirada de senhas: 9h as 9h30
Gratuito
Realização: Oi Futuro
Concepção e Curadoria: Daniele Dantas
Coordenação: Hugo Bianco