A morte de um dos líderes do Irã em Bagdá acirra a disputa política e econômica entre os EUA e o Oriente Médio.

Na última quinta-feira(2), o presidente americano Donald Trump ordenou e realizou um bombardeio próximo ao aeroporto de Bagdá, que culminou na morte de um dos principais líderes do Irã, Qasem Soleimani.

O ataque acirrou ainda mais a tensão entre os Estados Unidos e o Oriente Médio, uma vez que a relação, entre eles, já vem sendo desgastada desde a década de 50. De acordo com o governo norte-americano, o ataque a Soleimani foi  uma medida para conter o terror no país. Por outro lado, os líderes iranianos prometeram vingança, tanto que no último domingo(5) foguetes atingiram a Zona Verde de Bagdá, região onde fica localizada a embaixada norte-americana.

O bombardeio teve como foco um comboio de veículos próximo ao aeroporto de Bagdá, onde nesta comitiva estava o general iraniano Qasem Soleimani que vinha da Síria e deixava o aeroporto. O governo americano utilizou um drone que  alcançou uma velocidade de 400 km/h, carregando mais de uma tonelada de equipamentos, dentre eles os mísseis hellfire, que foram disparados perto da área de cargas.

Mas como isso afeta no mundo cripto?

O Bitcoin como reserva de valor

Na última sexta-feira(3), ocorreram grandes movimentações no mercado de criptomoedas.

Uma das principais mudanças foi que o valor do bitcoin passou a ser negociado até 24 mil dólares no Irã após as tensões com os EUA.

Cada vez mais, as criptomoedas vem ganhando espaço perante a instabilidade do mercado tradicional. Desde o ataque americano, na semana passada, os bitcoins passaram a ser comercializados por US$ 7.300, se mantendo neste valor  até a noite da última segunda(6).

Após a notícia que o Irã atacou as bases americanas no Iraque, na última quarta (8), a criptomoeda operou com alta de 5%, chegando aos US$ 8.315 nos EUA. Com isso, as principais exchanges de criptomoedas acabaram ganhando espaço durante o período inicial do conflito.

Isso se deu por conta de que grande parte da população iraniana recorreu ao mercado de criptomoedas, uma vez que o mercado financeiro tradicional acaba se desestabilizando.

Atualmente, os bitcoins são considerados uma das principais armas para que se evite a cobrança de impostos pelos EUA em qualquer país do mundo. A partir deste contexto, vale ressaltar que o Irã é um dos países que sofrem com sanções e os bitcoins podem ser uma boa solução neste caso.

"O controle dos governos sobre nossa economia geram colapsos financeiros completos em nossos países. Ter uma moeda global a qual não é atrelada a nenhum governo é a certeza de que nosso dinheiro suportará qualquer guerra mundial", afirma Pablo Borges, CEO da E-Price Capital.

Alguns investidores estão com medo de que uma possível Terceira Guerra Mundial possa ser o marco para uma revolução ainda maior.

É importante lembrar as expectativas geradas em torno dos bitcoins neste ano, pois estamos há alguns meses do Halving,  o maior evento do mercado, onde a recompensa pelos blocos minerados irão ser reduzidos pela metade e quantidade de moedas a serem ofertadas diminuirão.