Perspectivas para infraestrutura em 2024: poder, geopolítica e sustentabilidade

Perspectivas para infraestrutura em 2024: poder, geopolítica e sustentabilidade

Por Mark Kidd, vice-presidente executivo e diretor geral da Iron Mountain Data Centers


O ano de 2023 foi excepcional para o crescimento dos data centers e parece que 2024 será o mesmo, mas com abordagens de fornecimento novas e mais criativas. A energia continuará a ser o foco principal, com a pressão sobre as redes elétricas impulsionando novos investimentos em componentes de produção, centros e fontes de energia. A geopolítica também entrará na equação, combinada com a legislação para tornar granulares os relatórios de todos os itens, das matérias-primas até a eficácia do uso de carbono, uma tarefa urgente.


Momento Digital

O investimento inicial em IA generativa, que consome muita energia, teve um crescimento fenomenal no ano passado, com até 50% de capacidade global adicional entregue em um único ano (Cushman Wakefield). Muitas previsões econômicas negativas não se concretizaram e os fundamentos empresariais continuam sólidos. O Gartner prevê um aumento de 8% nos gastos com TI após alguns anos de lentidão, o que alavanca o consumo de hardware enquanto as organizações buscam benefícios práticos da IA, como racionalização e produtividade. Setores de particular crescimento em 2024 incluem o governo, a defesa e a saúde, que pela primeira vez representam mais de 10% do PIB global. (Economist)

A grande tomada de poder

Como a oferta corresponderá à demanda neste ano? Nos últimos 6 a 12 meses, a capacidade disponível dos data centers, que já era limitada, passou a ser utilizada também para executar IA, que demanda muita eletricidade. A IA levará a impactos de design nos data centers, bem como a novos padrões de desenvolvimento onde locais de treinamento em IA mais remotos e em larga escala contrastam com locais de inferência (entrega) de IA próximos aos usuários. Mesmo que a demanda por capacidade de IA diminua - e não há sinais disso -, a reposição de capacidade não será capaz de acompanhar o ritmo da procura, especialmente nas regiões prioritárias. Mas o mercado não gosta de um vácuo e os novos participantes procuram aproveitar ao máximo a oportunidade que isso apresenta. Operadoras estabelecidas ainda estão conseguindo aproveitar ou acelerar oportunidades em seu portfólio, como está sendo feito em Miami. A exploração de terrenos também atraiu alguns especuladores, uma vez que a procura e os retornos são elevados. Isto provavelmente levará à identificação de novas zonas de capacidade fora dos mercados mais desenvolvidos.

As principais novas rotas globais de fibra ótica também estarão online este ano, acelerando o desempenho e criando oportunidades. Estão em curso novos projetos de cabos para acrescentar maior desempenho e redundância e reduzir custos no Oriente Médio, especialmente para backup em torno do Canal de Suez, um conhecido ponto de escassez de conectividade. Os cabos submarinos Africa-1 e 2Africa também serão concluídos, acelerando o tráfego entre África, Europa e Oriente Médio. Novos hubs de manipulação de dados surgirão em torno de vários pontos de destino.

Encruzilhada de carbono

Espera-se um aumento de 11% na utilização de energias renováveis, mas as energias renováveis ​​ainda representarão apenas 14% do consumo total de energia global. Há um longo caminho a percorrer para reduzir as emissões e as temperaturas continuam a subir, com o “limite de aquecimento global” de 1,5 graus identificado no Acordo de Paris a aproximar-se rapidamente. Serão necessários 4 trilhões de dólares por ano para modernizar a rede elétrica à medida que a transição global para a eletricidade com baixas emissões de carbono se acelera. A necessidade de energia para data centers está agora criando competição por componentes-chave de geração de energia, incluindo transformadores em escala de serviços públicos.

Considerando esta pressão sobre a rede verde, alguns operadores de data centers podem ser tentados a selecionar soluções transitórias, como o gás, mas estas atrasam a solução do problema central que é a descarbonização total. A resolução das Nações Unidas #24/7 Carbon-free Energy Compact – indo além do Acordo de Compra de Energia Virtual para o uso direto 24 horas por dia de energia com zero carbono - é a solução de longo prazo. Embora a implementação completa da #247CFE leve tempo, este é mais um motivo para começar cedo. Se não reestruturarmos o fornecimento de energia local por local, medirmos, monitorarmos e melhorarmos, nunca chegaremos lá. O fosso entre as estratégias energéticas de curto e longo prazo aumentará em 2024, levantando questões para a indústria e os seus clientes. O IMDC permanecerá do lado da #247CFE.


A geopolítica de encontro com a sustentabilidade

A geopolítica acrescentará o seu peso a um novo conjunto de requisitos globais de relatórios climáticos dos EUA e da UE para exigir níveis muito mais elevados de transparência em 2024. Além de componentes críticos como semicondutores e GPUs, a proveniência geográfica será necessária até ao nível da matéria-prima para contratos governamentais, e a indústria diversificará rapidamente as suas cadeias de abastecimento em áreas como o Vietnã, Leste Europeu, México e Índia. A indústria mineira e de processamento de minerais de terras raras irá sofrer mudanças significativas, uma vez que estes elementos são críticos para a segurança nacional, a independência energética e o ambiente, e a procura de recuperação de minerais de terras raras continuará a aumentar. Será também necessária maior transparência para cumprir os novos regulamentos de relatórios climáticos em todo o ciclo de vida dos ativos, desde a produção até à desativação e à reutilização, à medida que as metas de impacto ambiental se alargam para ter em conta as emissões do Âmbito 3.

Oportunismo de olho no longo prazo

O ano de 2024 parece ser novamente emocionante, com muito o que fazer e desenvolvimentos que mudarão o cenário dos data centers. A seleção criativa de locais e a velocidade de colocação no mercado terão grandes impactos nos resultados financeiros, enquanto as considerações geopolíticas e as novas regulamentações colocam as cadeias de abastecimento avançadas e reversas sob os holofotes. Para os operadores de infraestruturas, será fundamental encontrar o equilíbrio certo entre o oportunismo em curto prazo e as melhorias sistêmicas em longo prazo.

Share This Post

Post Comment