Com demanda ampla e garantida, o setor público brasileiro é considerado o maior comprador de produtos e serviços do País. Em conjunto, as esferas federal, estadual e municipal movimentaram cerca de R$ 800 bilhões em 2018. Sendo assim, o segmento acabou se tornando um oásis, em meio à crise que afeta a economia brasileira.

No ano passado, segundo dados do Governo Federal, somente a União abriu 103.007 processos licitatórios, que movimentaram R$ 48 bilhões. Apesar do cenário promissor, apenas 55% das licitações contaram com a participação de micro e pequenas empresas na disputa.

Muitas nem imaginam que podem, sim, vender para o setor público e que existem serviços no mercado que oferecem todo o suporte necessário, mitigando riscos e otimizando os resultados. Apesar das promissoras vantagens, o mercado de licitações não é para amadores. Existe muita burocracia envolvida e as empresas podem ter prejuízo se não estiverem com a documentação em dia e, principalmente, se não avaliarem corretamente as oportunidades disponíveis.

Há no Brasil um universo gigante de empresas em condições de negociar seus produtos e serviços com o setor público. Mas nem todas têm um departamento jurídico ou estão totalmente regularizadas. Por isso, se torna imprescindível a contratação de uma assessoria especializada, que guia esses interessados durante todo o caminho, inclusive depois do contrato assinado.

LicitaBR, por exemplo, faz uma consultoria completa, que tem o propósito de orientar os empresários durante todo o processo licitatório, incluindo a etapa prévia, onde a situação jurídica da empresa é cuidadosamente analisada. É oferecido um suporte já de início, para que a empresa não perca nenhuma oportunidade por não estar com sua situação documental adequada.

*Edson Batistella é diretor Jurídico da Consultoria LicitaBR

 www.licitabr.com