O que você sabe sobre a Estônia? É um pequeno país europeu, localizado na região dos Balcãs. Pouco mais de 1 milhão e 300 mil de estonianos tornaram-se referência em um assunto que desperta cada vez mais interesse nos brasileiros: um governo digital.

O país começou a transformação digital no governo há duas décadas. Hoje, 94% da população utiliza um RG digital, com um chip que garante acesso direto a mais de 500 serviços governamentais. Para um estoniano, só é necessário comparecer pessoalmente a um órgão público em três ocasiões: para um casamento, divórcio ou transferência de imóvel. Fora essas ocasiões citadas, não há necessidade de se deslocar até os órgãos públicos para realizar desde declarações de imposto de renda aos votos para presidente da república. Tudo pode ser feito online, de forma segura e eficiente. Mas como a Estônia alcançou tamanho nível de desenvolvimento?

Vamos voltar um pouco na história deste país. A Estônia é um estado independente desde 1918. Porém, passou quase 50 anos sob domínio da U.R.S.S (antiga união soviética). Os estonianos só recuperaram sua independência integral em 1991, após a queda do muro de Berlim.

Os estonianos precisaram criar toda a infraestrutura governamental do zero. Nesta época, o país se via isolado da transformação digital em evolução pelo mundo. Enquanto a internet se espalhava pelos lares estadunidenses e europeus, os estonianos ainda estavam na era do telefone fixo. No entanto, a Estônia usou isso como uma vantagem, e aproveitou para utilizar os benefícios da internet para criar um governo menos burocrático e mais colaborativo. A educação, a tecnologia e a segurança digital foram os pilares centrais.

Os estonianos levam segurança digital muito a sério

Uma das maiores questões no processo de transformação digital é fazer com que as pessoas tenham confiança em um mundo que não é visível. Para resolver este problema, é preciso aumentar a segurança. E para se ter segurança no mundo digital, é necessário ter uma âncora no mundo real. Por isso, a certificação digital é uma grande aliada do governo digital estoniano.

Na prática, a certificação digital fornece algumas das tecnologias fundamentais para que todos esses processos sejam realizados com segurança. Os RGs são certificados digitais em forma de smartcards. Na hora de usar algum serviço governamental, o cidadão valida a operação com um PIN, da mesma forma que fazemos quando usamos cartões de crédito ou débito. Tudo é registrado com carimbos do tempo, que garantem que cada ação foi realizada em uma data específica.

Mas a preocupação do projeto de governo digital estoniano não significa que o país esteja livre de ameaças à cyber segurança. Em 2007, a Estônia sofreu uma série de ataques que conseguiram derrubar os serviços online do governo. Obviamente, a população ficou preocupada.

A diferença apareceu na maneira como o governo estoniano lidou com a crise. Ao invés de esconder da população as causas do ataque e principais danos, o governo descreveu publicamente tudo o que havia acontecido. Estabeleceu um diálogo com a população e também comunicou a todos quais seriam as próximas ações de segurança tomadas para remediar o ataque.

Um ano após os ataques, foi consolidado em Tallinn, a capital do país, um centro cooperativo de cyber segurança. Hoje, o centro é um think thank de referência que treina profissionais da tecnologia e militares de todo o mundo contra ataques à segurança digital. Hoje, as equipes de segurança digital estonianas entendem que os ciberataques existem,  e o melhor a fazer é preveni-los. Para isso, foi necessário investir em muito estudo e educação dos profissionais responsáveis pela área.

Os cidadãos acreditam que a tecnologia facilita a vida — e os negócios também. É possível abrir uma empresa, pagar seus tributos, emitir notas de pagamentos, realizar transferências financeiras e diversas outras tarefas do dia a dia corporativo de maneira 100% digital.

O exemplo da Estônia nos permite afirmar que sim, é possível ter um governo digital que facilite a vida das pessoas. No Brasil, empresas como a BRy já atuam desenvolvendo a tecnologia que pode nos ajudar a também seguir este caminho.

 

Carlos Roberto De Rolt

Consultor BRy Tecnologia e Directa Automação