Empresas avançam no debate para a redução da exclusão digital na América Latina

Empresas avançam no debate para a redução da exclusão digital na América Latina
Pedro Bentancourt, da Vrio Corp, Susana Cordeiro Guerra, do BID e Benjamin Gedan, do Wilson Center.

Com o objetivo de dar continuidade ao debate sobre a necessidade de uma regulação inteligente e inclusiva na América Latina e no Caribe e também de reforçar o Pacto Digital de empresas de telecomunicações, informação e entretenimento, foi realizado no último dia 16 de março, no Panamá, o evento “Cooperação público-privada para a inclusão digital na América Latina e no Caribe”. Organizado pelo Instituto de Pesquisa Científica Wilson Center, com apoio estratégico da Vrio Corp, empresa que controla a DirecTV Latin America, SKY Brasil e DGO, o evento contou com a participação do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), na presença de Susana Cordeiro Guerra, Gerente do Setor de Instituições para o Desenvolvimento.

Na ocasião, empresas de audiovisual, telecomunicações e tecnologia concordaram em avançar com um plano de propostas concretas para os governos da América Latina, tendo como meta a modernização regulatória do setor e a redução da brecha digital. Hoje, existem na região mais de 200 milhões de pessoas sem acesso à internet. Foram discutidas, ainda com o BID, soluções eficazes para reduzir a exclusão digital na região e propostas dos setores de tecnologia e telecomunicações para atender às necessidades dos mais de 600 milhões de latino-americanos. O grupo decidiu seguir em frente com um plano de ação com itens específicos, que serão acordados.

Benjamin Gedan, Diretor do Programa Latino-Americano do Wilson Center, disse: “A explosiva transformação digital na América Latina e no Caribe nos últimos anos trouxe enormes benefícios, ampliando o acesso a serviços financeiros, educacionais, de saúde e entretenimento. Mas não para todos. Este é o desafio que temos pela frente”.

Pedro Bentancourt, Vice-Presidente de Assuntos Econômicos, Externos e Regulatórios da Vrio Corp, comentou: “O entendimento que estamos alcançando tem objetivos concretos. Queremos ajudar a reduzir a desconexão de milhões de latino-americanos hoje excluídos da economia digital. Levar mais e melhor conectividade para toda a sociedade é uma tarefa a ser enfrentada por meio de parcerias público-privadas com os olhos no futuro”.

Bentancourt explicou que o problema tem uma dimensão que escapa à ação isolada de Estados ou empresas: “As Nações Unidas promovem um pacto digital nesse sentido e nós apoiamos essa iniciativa, temos contribuições a dar. É um imperativo conectar estudantes, trabalhadores e empresas. A era digital avança a uma velocidade vertiginosa e a América Latina corre o risco de ficar para trás."

A formação de um Pacto Digital faz parte do diálogo setorial promovido pela Vrio Corp, com a ideia de avançar e fortalecer alianças público-privadas para alcançar uma regulamentação inteligente que permita a inclusão de milhões de latino-americanos na economia digital. Entidades como a ASIET (Associação Interamericana de Empresas de Telecomunicações) também fazem parte da discussão; organizações internacionais como OECD (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), CAF (Banco de Desenvolvimento da América Latina) e OEA (Organização dos Estados Americanos); e órgãos reguladores como a ANATEL (Agência Nacional de Telecomunicações), do Brasil, nesta reunião representada pelo Conselheiro Moisés Queiroz Moreira.

Agora o BID juntou-se à mesa de discussão, contribuindo com sua experiência multilateral como um banco que apoia o desenvolvimento regional sob várias perspectivas, incluindo o financiamento de projetos na implantação de fibra ótica na região.

“As demandas por tecnologia só aumentarão e a infraestrutura da região será cada vez mais pressionada para entregar mais e melhores resultados, no menor tempo possível. O BID pretende alavancar a escala de seus programas, que atingem quase US$ 8 bilhões em investimentos em transformação digital, para trabalhar mais de perto com o setor privado e ajudar a fechar as lacunas em infraestrutura e habilidades digitais na região”, disse Susana Cordeiro Guerra.

A representante do BID destacou o apoio da agência em termos de financiamento de programas para promover o acesso à Internet e a digitalização na América Latina. Com recursos da entidade, os países da região estão implantando infraestrutura para conectividade digital em áreas distantes dos centros urbanos e melhorando as capacidades digitais dos cidadãos em áreas conectadas.

As conversações terão continuidade em abril, no âmbito das reuniões de primavera do Banco Mundial e do FMI, em Washington, nos Estados Unidos.

Share This Post

Post Comment