Empresa que tem a sustentabilidade e a transparência como parte integrante de seus negócios, a Siemens apresenta seu Relatório Institucional e ESG Siemens 2021 em formato inovador e dinâmico integrando diversos recursos multimídia para complementar os temas em destaque. O documento foi produzido pelo Grupo Siemens, no Brasil, para comunicar as ações da companhia ao longo do ano fiscal de 2021 (1º de outubro de 2020 a 30 de setembro de 2021) e podcasts trazem os principais executivos comentando sobre as conquistas do período e apontando caminhos para o futuro.

O conteúdo apresentado nesta edição foi organizado a partir da estrutura de Sustentabilidade da empresa, apresentada pela Siemens AG em 2021. Denominada DEGREE, um acrônimo, em inglês, para as palavras Descarbonização, Ética, Governança, Recursos com uso eficiente, Equidade e Empregabilidade, ela expõe ambições claras e mensuráveis, que atendem aos Dez Princípios do Pacto Global e aos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas.

Essa estrutura é uma abordagem 360 graus para todos os stakeholders da companhia -- clientes, fornecedores, investidores, funcionários, sociedades atendidas e o planeta. Ao abordar os três aspectos ESG, a Siemens constrói um futuro melhor e que fortalece uma cultura de confiança, empoderamento e crescimento.

A estrutura DEGREE é baseada em seis campos de ação, que impulsionam a sustentabilidade, são dinâmicos e evoluem continuamente. Foram estabelecidas prioridades claras e ambições para as questões-chave do tema ESG, que estão direcionando as operações, e também junto a clientes e fornecedores. A estrutura DEGREE aplica-se a todas as empresas afiliadas ao Grupo Siemens, com exceção da Siemens Healthineers, que segue um conceito de sustentabilidade afinado com os mesmos princípios, refletindo as expectativas da Siemens como sua acionista majoritária.

“Tivemos crescimento recorde e acima dos nossos objetivos em todas as nossas unidades de negócios. Parte disso está ligado ao contexto trazido pela pandemia, com um aumento inédito da digitalização na vida e nos negócios”, diz Pablo Fava, CEO da Siemens, que se apresenta pela primeira vez em vídeo no início do relatório, e completa, “esse conceito de empresa digital é praticamente um novo padrão no mundo corporativo e isso vai crescer, nossos clientes necessitam de ferramentas rastreáveis e seguras”.

Enfrentamento à pandemia

Todos os esforços no enfrentamento à pandemia foram cercados de protocolos de segurança e higiene e a Siemens no Brasil encerrou 2021 com 98,8% de sua equipe com esquema vacinal completo, o maior índice global da companhia. Em 2020, as equipes responsáveis por funções administrativas passaram a trabalhar em sistema de home office emergencial. Esta dinâmica foi mantida até novembro de 2021, quando começou o novo modelo híbrido na Siemens (dois dias por semana em home office, três dias nas localidades). A localidade industrial JundTech (em Jundiaí, São Paulo), classificada como atividade essencial, man­teve suas operações presenciais durante os dois anos, com rigorosos padrões para evitar o contágio de funcionários e demais colaboradores.

Inovação, descabornização e mobilidade

A base para a inovação na Siemens é o conceito de Tecnologia com Propósito, ou seja, desenvolver novos produtos, serviços e soluções que atendam às necessidades da sociedade e para isso existem cinco Centros de Pesquisa e Desenvolvimento no Brasil. Aqui existe um Comitê de Inovação ligado à diretoria da empresa, com abrangência para toda a organização. Em segundo e terceiro nível, participam profissionais de média gerência e representantes de cada área, respectivamente. Esse sistema permite capilaridade, incentivando ideias inovadoras e possibilidade de execução, quando procedentes.

Em 2021, a Siemens incrementou sua parceria com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), onde também participa do IPT Open Experience, um ecossistema de inovação que aproxima a academia, a iniciativa privada, pesquisadores independentes e startups em busca de desenvolvimento tecnológico.

No mesmo ano, a companhia tornou-se parceira do projeto IASMIN (Inteligência Artificial Soluções para Manufatura Inteligente), coordenado pelo IPT. A plataforma baseia-se em centros de excelência e busca a pesquisa básica aplicada e a expansão das redes de pesquisa.

Por meio do compromisso com a Science Based Targets initia­tive (SBTi), uma colaboração entre o Carbon Disclosure Project (CDP), o Pacto Global das Nações Unidas, o World Resources Institute e o World Wide Fund for Nature (WWF), a Siemens apoiou as metas de redução de 1,5ºC da temperatura global, estabelecida pelo Acordo de Paris. Com o progra­ma Eco Efficiency@Siemens, o objetivo é reduzir os impactos ambientais, fortalecer a economia circular e reduzir o uso de recur­sos nos negócios. Ambiciona-se também zerar as emissões das operações até 2030 (com­promisso global), no Brasil, até 2025, e na cadeia de supri­mentos até 2050 (redução de 20% até 2030).

Um outro tema que cresce vertiginosamente em termos de oportunidades é o setor de mobilidade, que também contribui para a descarbonização. Sistemas de transporte potentes, confiáveis e ecológicos são essenciais para uma sociedade e economia funcionais, e os modais ferroviário e metroviário são parte importante desse quadro. Hoje é preciso locomover-se de forma rápida e eficiente - os passageiros esperam mais e as cidades, os operadores e a indústria devem responder para atender a essas deman­das, inclusive com sistemas que representem menor impacto no meio ambiente. Com as soluções de automação da Siemens Mobility, as linhas de trens e metrôs podem obter redução da ordem de 20% no consumo de energia.

Diversidade e Responsabilidade Social

E finalizando com os temas de Equidade e Diversidade, a Siemens pretende ter 30% de mulheres na alta gestão até 2025. Recentemente, a Siemens foi certificada pelo governo de São Paulo com o Selo Paulista da Diversidade, por contribuir para a transformação da sociedade a partir da maior conscientização no ambiente de trabalho em relação à diversidade e inclusão. O reconhecimento chega para reforçar o programa DiverSifica da companhia, que foi criado em 2018 por iniciativa da alta gestão e da necessidade de alinhamento com os objetivos estratégicos de ESG da empresa. As ações da Siemens ocorrem pelo menos desde 2010 com o lançamento do Liderança Z, grupo que nasceu com o objetivo de incentivar a troca de experiências, informações e conhecimento, motivando as mulheres a se fortalecerem e encorajando umas às outras no desenvolvimento da carreira. Em 2018, o grupo foi ampliado e incorporado ao DiverSifica, com o objetivo de promover a equidade de gênero na Siemens no Brasil.