Inteligência Artificial pode contribuir em até 5,4% do PIB da América Latina até 2030

Inteligência Artificial pode contribuir em até 5,4% do PIB da América Latina até 2030

A Allianz Trade, líder global em seguro de crédito comercial, divulgou recentemente o relatório Latin America Shall We Dance?, que revela um panorama dos riscos econômicos em países da América Latina e aponta que a desigualdade social no continente desempenha um papel significativo no crescimento e desenvolvimento da digitalização. 

Segundo os autores, o investimento público limitado em ciência e tecnologia na América Latina, bem como os níveis de habilidades insuficientes necessários para adotar, abraçar e implementar inteligência artificial (IA), são refletidos nos dados iniciais de adoção da IA. A previsão dos economistas é de que a IA contribua com até 5,4% do PIB da América Latina até 2030, equivalente a aproximadamente US$ 0,5 trilhões, mesmo assim, esse número fica atrás dos Estados Unidos e Canadá, que devem ganhar mais de 14,5% do PIB no mesmo período.

Outro problema apontado no relatório para a adoção de IA é a economia altamente informal dominada por pequenas empresas, bem como uma lacuna digital. A desigualdade digital é tão aguda que, enquanto quase 75% da população em áreas urbanas têm acesso à cobertura de banda larga na região, apenas 25% dos habitantes rurais têm acesso. Além disso, apenas cinco das maiores economias regionais têm capacidades comerciais de 5G (Brasil, Chile, Colômbia, Peru e México).

“Se a América Latina deseja colher os ganhos potenciais de desenvolvimento que vêm da revolução da IA, ela deve superar seus desafios existentes relacionados à economia digital. Além disso, as políticas implementadas devem ser inclusivas, éticas e sustentáveis. De acordo com o PNUD, é necessário um compromisso regional deliberado para construir um ecossistema robusto de IA que inclua investimento substancial em infraestrutura pública digital, educação e qualificação da força de trabalho, bem como governança digital e de IA eficaz”, afirmam os autores do estudo.

O relatório aponta ainda que os governos não estão prontos para a transição da IA. Aproximadamente 80% da força de trabalho dos Estados Unidos pode ter pelo menos 10% de suas tarefas de trabalho afetadas pela introdução dos GPTs, enquanto cerca de 19% dos trabalhadores podem ver pelo menos 50% de suas tarefas impactadas. Da mesma forma, para a América Latina, uma região marcada por longas horas de trabalho e salários relativamente baixos, o perigo de empregos terceirizados serem substituídos pela IA lança uma sombra sobre o emprego a longo prazo na região.

Mas há uma parte positiva: a revolução da IA também pode apresentar uma oportunidade para diminuir as diferenças de gênero na América Latina. Mais de 60% das mulheres na América Latina frequentam a universidade, em comparação com menos de 50% dos homens, deixando-as preparadas com as habilidades necessárias para prosperar na revolução da IA. A criação de novos empregos poderia apresentar uma oportunidade importante para que as mulheres aumentem de 10 a 20% seus salários e diminuam as disparidades salariais de gênero.

IA para mitigar riscos climáticos

Por fim, a IA pode desempenhar um papel importante na mitigação dos riscos climáticos que afetam a região. A modelagem climática com base em IA é um paradigma disruptivo que tem um potencial maior para avaliar, prever e mitigar o risco das mudanças climáticas com o uso eficiente de dados, algoritmos de aprendizagem e dispositivos de sensoriamento. De uma perspectiva técnica, a IA oferece melhores previsões climáticas, mostra os impactos do clima extremo, encontra a fonte real de emissores de carbono e inclui inúmeras outras contribuições razoáveis. Isso pode aumentar a conscientização sobre questões que não são totalmente abordadas e subfinanciadas na América Latina.

Além disso, embora quase metade de todas as emissões seja liberada por um décimo da população global – e a América Latina esteja abaixo da média global de emissões per capita – a América Latina e o Caribe é uma das regiões mais vulneráveis a eventos climáticos extremos, com cinco dos dez países mais afetados na região. Os avanços em IA permitem prever padrões climáticos com precisão sem precedentes, o que também pode beneficiar a região.

Share This Post

Post Comment