Enquanto as organizações em todo o mundo fazem planos para que seus funcionários voltem ao local de trabalho, o último relatório de pesquisa da Accenture (NYSE: ACN) revela que 83% das pessoas afirmam que o ideal é contar com um modelo de trabalho híbrido, em que os indivíduos têm a capacidade de trabalhar remotamente entre 25% e 75% do tempo.

A pesquisa ouviu 9.326 trabalhadores em 11 países, e seu relatório final intitulado O Futuro do Trabalho: Produtivo em Qualquer Lugar conclui que 40% dos indivíduos sentem que podem ser produtivos e saudáveis em qualquer lugar, seja totalmente remoto, baseado num local específico ou seja em uma combinação de ambos, o modelo híbrido.

Além disso, 85% das pessoas que afirmam que podem ser produtivas e saudáveis em qualquer lugar também dizem que planejam permanecer na empresa por muito tempo.

Entretanto, encontrar um modelo híbrido que funcione para todas as gerações pode ser um desafio: três em cada quatro pesquisados da Geração Z (74%) querem mais oportunidades para colaborar com os colegas cara a cara, uma porcentagem maior do que os da Geração X (66%) e Baby Boomers (68%).

"Há um novo padrão na força de trabalho pós-pandemia: o funcionário que se diz produtivo trabalhando de qualquer lugar", informa Patrícia Feliciano, diretora de Talento e Organização da Accenture na América Latina. "Este segmento consiste em indivíduos que permanecem produtivos ꟷ seja no escritório ou em casa ꟷ e que possuem os mais fortes recursos pessoais e organizacionais. Como líderes responsáveis, precisamos direcionar o futuro do diálogo de trabalho não apenas para a localização, mas também para abordar o que impulsiona a produtividade, a saúde e a resiliência de nosso pessoal", explica.

O relatório descobriu que o que separa os trabalhadores produtivos de qualquer lugar (40%) daqueles que estão desconectados e frustrados (8%) não é o estresse, mas se eles têm os recursos certos do ponto de vista individual e organizacional para ajudá-los a serem produtivos de qualquer lugar. Esses recursos variam de autonomia de trabalho e saúde mental positiva à liderança de apoio e uma organização digitalmente madura.

As organizações que permitem que uma força de trabalho resiliente seja mais produtiva e saudável em qualquer lugar também estão colhendo benefícios financeiros: 63% das empresas com alto crescimento de receita já possibilitaram modelos de trabalho de qualquer lugar, em que os funcionários têm a opção de trabalhar remotamente ou no local. A maioria (69%) das empresas com crescimento negativo ou sem crescimento ainda está focada em onde as pessoas vão trabalhar fisicamente.

"As pessoas que têm a opção de trabalhar em um modelo híbrido são mais capazes de gerenciar os desafios de saúde mental, têm relacionamentos de trabalho mais fortes e planejam ficar com suas empresas por muito tempo", acrescenta Patrícia. "Muitas conversas sobre o futuro do trabalho giram em torno da localização, mas os líderes precisam perguntar como desbloquear o potencial das pessoas em qualquer lugar."

Ao mesmo tempo em que os líderes consideram as várias opções disponíveis para sua força de trabalho, eles devem ir além do foco na localização física para moldar um futuro de trabalho que forneça a seus funcionários os recursos de que precisam para serem produtivos a partir de qualquer lugar. O estudo recomenda que as organizações considerem as seguintes ações específicas:

• Acelere a modernização do RH: o mundo ao nosso redor mudou e as políticas e práticas de RH devem evoluir. Desenvolva uma estratégia que garanta que os trabalhadores estejam em melhor situação em seis dimensões do local de trabalho - incluindo relacional, física, emocional e mental - durante a transição para novos espaços de trabalho, equipes e funções.

• Desenhar o modelo de trabalho com foco nas pessoas: as organizações devem reconhecer e atender às necessidades de todos os tipos de trabalhadores: quem apoia a segurança psicológica e física obterá mais confiança.

• Desenvolva a fluência digital: organizações com fluência digital têm mais crescimento de receita e são mais propensas a serem consideradas ótimas empresas para se trabalhar. Concentre-se em projetar habilidades e caminhos de aprendizagem personalizados que atendam às necessidades de todos os segmentos da força de trabalho.

• Liderar com humanidade: líderes responsáveis criam ambientes nos quais uma Diretoria Moderna , o CEO e todo o alto escalão trabalham juntos, não importa onde estejam.

Sobre a Pesquisa

A Accenture Research realizou pesquisa durante o mês de março de 2021 com 9.326 trabalhadores da Austrália, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Japão, Cingapura, Suécia, Reino Unido e EUA, todos dos seguintes setores: Bancário / Seguros / Mercado de capitais, alta tecnologia, varejo, bens de consumo e serviços ao cliente, setor público, saúde, comunicações e mídia, serviços públicos, energia e farmacêuticas. A análise da pesquisa foi conduzida da seguinte forma:

1. Clusters de força de trabalho: os trabalhadores foram classificados em quatro grupos distintos com base em suas respostas aos itens nas escalas de produtividade e saúde. Os trabalhadores "somente produtividade no local" foram aqueles que alcançaram uma pontuação média de 3,5 ou mais na escala de produtividade no local e abaixo de uma pontuação média de 3,49 na escala de produtividade remota. "Trabalhadores apenas de produtividade remota" foram classificados como aqueles que alcançaram uma pontuação média de 3,5 ou mais na escala de produtividade remota e abaixo de 3,49 na escala de produtividade no local. Os "trabalhadores produtivos em qualquer lugar (híbridos)" foram classificados com base em pontuações médias de 3,5 ou mais nas escalas de produtividade remota e local. Por fim, o "grupo não produtivo" foi aquele que obteve pontuação inferior a 3,49 em ambas as escalas de produtividade.

2. As mentalidades da força de trabalho foram derivadas após avaliar os sentimentos da força de trabalho em mais de 140 perguntas e agrupadas em 4 mentalidades primárias usando análise fatorial e teste de confiabilidade.

3. Para entender melhor o que estava impulsionando a produtividade e a saúde dos trabalhadores em locais remotos e no local, executamos uma análise de regressão hierárquica de 18 variáveis ​​organizacionais, controlando as diferenças individuais como idade, mandato, indústria, geografia, gênero. Os resultados reportados são aqueles que foram estaticamente significativos em que a produtividade regrediu nos recursos organizacionais.

4. Um teste ANOVA foi conduzido para determinar as diferenças nos recursos de nível organizacional experimentados entre nossos clusters de força de trabalho, focalizando de perto as diferenças em nosso grupo produtivo em qualquer lugar e aqueles que sentiram que não poderiam ser produtivos no local ou remotamente. São relatadas diferenças estatisticamente significativas entre as 18 variáveis​​testadas.

5. Finalmente, avaliamos as percepções do desempenho da empresa e correlacionamos as pontuações Net Better Off (do relatório Care to Do Better) e grupos de força de trabalho com crescimento de receita em 3 anos.