Por Fabricio Pires Coscia, gerente de suporte ao campo da Elevadores Atlas Schindler

O advento da Covid-19 em 2020 definitivamente acelerou mudanças que vão ficar, mesmo depois que tudo volte ao "normal". Os avanços na área da tecnologia compõem um dos legados mais importante deste período pois trouxeram mais segurança, praticidade e agilidade para muitas das nossas atividades cotidianas em menos tempo do que era imaginado quando não convivíamos com o vírus.

Internet das Coisas (IoT), Inteligência Artificial (IA) e Machine Learning já eram conceitos aplicados pela nossa indústria para automatizar processos e facilitar o trabalho em campo, mas com as restrições impostas pela pandemia, ganharam ainda mais impulso e motivação. A consultoria empresarial americana McKinsey divulgou em 2018 um estudo encomendado pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Social (BNDES) informando que o Brasil iria movimentar US$ 200 bilhões por conta dos avanços com a Internet das Coisas até 2025 (cerca de 10% do PIB nacional). Perseguimos essa previsão a passos largos.

O setor de transporte vertical brasileiro, por exemplo, já vinha trabalhando em inovações baseadas em IOT e em conectividade para beneficiar usuários de elevadores em relação à assistência remota, monitoramento e manutenção dos equipamentos. O processo evoluiu de forma significativa e, atualmente, já se estendeu ao uso de óculos de realidade aumentada. Mas como isso acontece e qual a relação com a pandemia?

A Internet das Coisas permite a conexão remota entre equipamentos e equipes técnicas de maneira segura e eficiente, com menor interferência humana presencial. Através de um computador de bordo de alta performance - que integra o sistema Schindler Ahead, por exemplo - é possível realizar o monitoramento dos elevadores em tempo real, 24 horas por dia, sete dias por semana. Assim, possíveis falhas são identificadas antecipadamente, e até sanadas remotamente, evitando a paralisação dos equipamentos e aumentando a previsibilidade das manutenções.

O uso de realidade aumentada no segmento vem para aprimorar ainda mais o processo de manutenção e atendimento aos clientes, minimizando deslocamentos e dispensando a presença de mais profissionais nos ambientes dos condomínios. Em caso de necessidade de uma ação corretiva extremamente específica, o técnico da Atlas Schindler in loco utiliza óculos de realidade aumentada para analisar elementos e mecanismos dos elevadores e conectar-se com um engenheiro que, à distância, irá auxiliar quanto à ação crítica que deve ser tomada. O engenheiro visualiza, em tempo real, tudo aquilo que está passando pelas lentes dos óculos utilizado pelo técnico. Desta forma, a solução que antes poderia depender da visita deste profissional especializado, é realizada de maneira virtual, assertiva, rápida e eficiente, concretizando uma nova aliada na manutenção de elevadores com o que antes era tema de filme de ficção.

Como principal fornecedor de soluções em mobilidade vertical, estamos sempre em busca de inovação e soluções cada vez mais abrangentes e seguras para tonar a vida de quem interage com nossos produtos e serviços cada vez melhor.