Executivo da Nextcode destaca que estabelecer hábitos de segurança de dados, mesmo no tele trabalho, é indispensável para o armazenamento seguro de informações das empresas

Ao longo dos últimos três meses, toda a rotina empresarial tem se transformado. Com o decreto da pandemia de coronavírus no Brasil, as instituições precisaram se readaptar a nova realidade para permanecerem com seus negócios ativos. O modelo de home office, por exemplo, foi essencial nesse processo. Para se ter uma dimensão, de acordo com estudo realizado em março pela Hibou, em parceria com a Indico, cerca de 59% dos brasileiros já estavam operando em home office.

Mesmo com o número expressivo, o investimento no trabalho remoto tem gerado muitos questionamentos a respeito da segurança da informação. Afinal, como garantir que os dados das empresas sejam armazenados de forma segura, uma vez que cada integrante da equipe estará conectado em uma rede diferente, direto de sua casa?

De acordo com Luiz Penha, COO da Nextcode, empresa de Onboarding Digital e responsável pela validação através de análise das informações de documentos de identificação e comparação entre foto do documento e selfie, ao implantar o home office como modelo operacional, é preciso que a empresa alinhe com todo o time medidas de precaução e proteção de dados. “Algumas práticas são bem simples, como estabelecer uma rotina de backups e a utilização de senhas fortes. Além disso, é importante a atualização de sistemas e aplicativos e, sobretudo, que todos os profissionais estejam conectados a uma rede segura”, ressalta Penha.

Para o executivo, outro aliado para manter a segurança informacional é o auxílio da tecnologia. “Hoje, existem muitas ferramentas tecnológicas que ajudam na proteção de dados. Além disso, diversas empresas possuem grande expertise nessa área. Contar com esses times pode ser uma estratégia essencial para manter toda a informação empresarial resguardada”, explica.

Luiz ressalta ainda que o home office se expandirá ainda mais após o fim da pandemia. Deste modo, todas as medidas de precaução serão bem-vindas. “As corporações precisarão reestruturar toda sua operação e o modo de fazer negócio. Me refiro não apenas aos processos em si, mas também a toda parte de análise e proteção de dados. Se prevenir nesse sentido será imprescindível para as empresas do futuro”, finaliza.