A transformação digital protagonizada pela Vivo nos processos internos e serviços voltados aos clientes traz impacto positivo também para o meio ambiente e para sociedade. Somente neste primeiro semestre, revertemos 7,8 milhões de contratos assinados digitalmente em 2017 no plantio de 24 mil mudas, distribuídas em uma área de 9,6 hectares, o equivalente a dez campos de futebol. A ação, feita às margens do reservatório de Promissão, em São Paulo, resultou na compensação de quatro mil toneladas de CO2, que corresponde a 2,9% das emissões geradas por nossa empresa no período. Realizada em parceria com a Fundação SOS Mata Atlântica, a iniciativa é parte do projeto Paper Less, ou empresa sem papel, que deverá reduzir em 70% o nosso volume de impressões de documentos até 2021. Atualmente, o nosso volume médio de impressões é de aproximadamente 4,4 milhões de folhas ao mês, o que deve ser reduzido para a 1,3 milhões de páginas em apenas três anos.

Para atingir esta meta, trabalhamos em um projeto de reprografia, que prevê a redução máxima de impressões e fotocópias e a digitalização de contratos também junto a fornecedores e clientes B2B.

O projeto piloto, realizado pela área de Patrimônio, prevê que 1 milhão de contratos/mês sejam assinados digitalmente, o que equivale a 240 milhões de folhas economizadas em um ano. Na repografia, que engloba impressão e cópias de documentos, são impressos aproximadamente 50 milhões de páginas/ano. A redução prevista com a digitalização destes documentos chega a 75%. Entre as iniciativas que permitirão estas mudanças, está a capacitação e conscientização das equipes internas, mudanças em sistemas da empresa e implantação de novas frentes de digitalização.

“A Vivo atua em diferentes frentes para promover a digitalização, tanto internamente como nos pontos de contato do cliente com a empresa. Com o projeto Paper Less, ampliamos nossa atuação sustentável à medida que geramos impacto positivo para a sociedade”, afirma Caio Silveira Guimarães, diretor de Patrimônio da Vivo.

“A parceria com a Fundação SOS Mata Atlântica no projeto “Florestas do Futuro” nos trouxe esta possibilidade de transformar parte da digitalização dos processos na recuperação das matas ciliares e espécies nativas e de contribuirmos de forma direta para a preservação do meio ambiente”, revela a executiva de Sustentabilidade da Vivo, Joanes Ribas.

Consumo consciente

A iniciativa Venda Sustentável, que permite aos clientes assinarem seus contratos virtualmente, por meio de tablets e recebe-los por e-mail ou acessá-los via site ou aplicativo, também está entre as diferentes iniciativas para estimular o consumo consciente e dar aos clientes a opção pelo consumo sustentável. A transformação digital permitiu ampliarmos o uso e a eficiência dos atendimentos via app Meu Vivo e aumentarmos a adoção de faturas digitais pelos clientes para 83% no serviço móvel e 140% no fixo, em 2017. No último ano, foram enviadas por nós 131 milhões de faturas no formato digital.

Em todas as nossas ojas e revendas também é possível ao cliente participar do programa Recicle com a Vivo, que garante a coleta e destinação adequada de equipamentos, como celulares, carregadores e baterias. Desde que foi implantado, em 2006, o projeto já recolheu 4,8 milhões de itens, garantindo a destinação de 100 toneladas de resíduos. Em 2017, foram recolhidos 122 mil itens, o equivalente a 8,1 toneladas de equipamentos. A empresa também trouxe para o Brasil o selo Eco Rating que classifica com uma nota de 0 a 5 o impacto ambiental dos smartphones, considerando mais de 100 critérios socioambientais. A avaliação, desenvolvida pela ONG "Forum for The Future", do Reino Unido, permite aos clientes uma decisão de compra mais sustentável.

Telefônica Sustentável

A Vivo, marca da Telefônica no Brasil, adota um modelo de negócios sustentável, com impacto positivo para a sociedade. Nossa capacidade de gerar valor socioambiental está na natureza do negócio, que oferece conexão de qualidade em todo o País. Dessa forma, levamos desenvolvimento aos lugares mais remotos, conectando pessoas no mundo digital. Ao mesmo tempo em que oferecemos produtos e serviços inovadores, estimulamos o consumo responsável, reduzimos o impacto das suas operações e atuamos pautada em sólidas práticas de governança corporativa.

Somos a única operadora de telecomunicações do Brasil a compor por três anos consecutivos o ranking Emerging Market 70 Ranking, da Vigeo Eiris, que aponta as 70 companhias com atuação em mercados emergentes, selecionadas pelo bom desempenho em Sustentabilidade e Governança. Também estamos presentes pelo quinto ano consecutivo no ISE - Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3 (BM&FBovespa), que reúne as companhias com as melhores práticas de Sustentabilidade e Governança.