Os desafios tecnológicos em constante mudança na sociedade contemporânea, principalmente nas particularidades que envolvem o mercado financeiro, são possivelmente divididos em três categorias: adquirentes, bandeiras e bancos.

As adquirentes são empresas que trabalham na ponta como captadores, ou seja, estão no processo de aquisição de um determinado valor, onde o maior método ainda utilizado é através das maquininhas. Após feita a captação, a instituição adotada pelo estabelecimento comunica os dados da operação às bandeiras.

As bandeiras são o ponto de contato entre a adquirência e os bancos emissores dos cartões. Sua função é de analisar os riscos de cada tentativa, fazendo a checagem com o estabelecimento, limites do usuário final e viabilidade da compra.

Na ponta final estão os bancos, as instituições financeiras que concentram o dinheiro e o crédito, para que seja autorizada a transação, baseada na concessão de limites negociados juntos às bandeiras.
O grande fato que entra em discussão, são as novas tecnologias de pagamento e concorrência acirrada no ramo de adquirência e bancário.

Por se tratar de um mercado de transações com alta sensibilidade e grande complexidade de integrações, as empresas com maior market share lidam com os desafios das aplicações legadas, enquanto buscam alternativas para se reposicionarem nos potenciais mercados.

Tendo uma base sólida, mas correndo contra o tempo, o maior anseio é da busca por uma renovação!

Como fazer com que empresas de grande porte do setor tenham a mesma agilidade para inovação que uma empresa entrante ou uma fintech, e como garantir que as fintechs tenham capacidade para atender todas as exigências requeridas por um mercado muito bem regulamentado como as empresas de grande porte.

Tendo em vista estes desafios, a Nextios traz um modelo que além de agregar na questão tecnológica, é baseado nos novos modelos de gestão, a fim de cumprir requisitos dos órgãos reguladores e entregando a velocidade exigida neste meio de grande competitividade. Neste aspecto, Cloud ganha cada vez mais espaço, permitindo um maior Time to Market com plataformas escaláveis, além de uma gama de serviços orientados à segurança da informação e compliance, que substituem soluções complexas e de alto custo de investimento.

De acordo com Paolo Martins, gerente de FSI & Vendas da Nextios, "um dos grandes desafios das instituições financeiras, se trata da sensibilidade das informações e do alto impacto à latência, devido ao tempo máximo para a conclusão das transações. Seja por débito, crédito, transferência, ou utilizando novas tecnologias como QR Code, a experiência do usuário na ponta deve ser positiva. Para suprir a demanda de um mercado cada vez mais exigente, cumprir com os aspectos de tempo máximo de transação e endereçar as questões de regulação, existe uma grande movimentação do mercado financeiro para a Cloud AWS (Amazon Web Services). Os benefícios são praticamente intangíveis, se comparado às demais soluções concorrentes. Porém, um dos principais, acaba sendo a questão de conectividade, pela possibilidade de se conectarem através de redes internas da AWS, mitigando o impacto de latência."

De acordo com a pesquisa do IDC, encomendada pela Nextios, o mercado de cloud e data centers são excelentes indicadores das principais necessidades tecnológicas no país que estão sendo intensificadas após a pandemia. Cloud funciona como um ponto de convergência, que permite o fôlego para a inovação tecnológica das organizações, principalmente na maturação da governança corporativa melhorando a eficiência operacional e reduzindo gargalos nos processos internos.

"Nossa abordagem de serviços e gestão de projetos ágeis, independente da plataforma - Cloud pública ou privada - vem demonstrando a confiança técnica necessária que o mercado financeiro exige para um desempenho operacional, com flexibilidade, mas preservando o aspecto de segurança, resultando em entregas rápidas e consistentes. Sendo assim, a proposta da Nextios é de ser a parceira ideal para negócios mais tecnológicos, eficientes e sustentáveis", finaliza Paolo.