Inteligência artificial e gestão de tributos: especialista explica como essa tecnologia potencializa o ramo

Inteligência artificial e gestão de tributos: especialista explica como essa tecnologia potencializa o ramo

O sistema tributário brasileiro é conhecido por sua complexidade e diversidade, apresentando uma ampla gama de impostos, taxas e contribuições, que incidem sobre empresas, indivíduos e transações comerciais. Nesse contexto, a gestão eficiente dos tributos torna-se uma questão crucial para as organizações e indivíduos, uma vez que impacta diretamente a competitividade das empresas, a arrecadação do governo e a alocação de recursos na sociedade.

A atuação da Inteligência Artificial (IA) nesse ramo, ainda é nova, porém promissora. Nos anos anteriores a 2010, começaram a surgir soluções que utilizavam a automação para auxiliar na preparação de declarações fiscais, cálculos de impostos e outras tarefas rotineiras da gestão tributária. Esses sistemas iniciais eram mais simples e baseados em regras predefinidas.

Porém, com o avanço da IA, especialmente na área de aprendizado de máquina e processamento de linguagem natural, as capacidades tecnológicas para lidar com análise de dados complexos, detecção de padrões e tomada de decisões mais sofisticadas aumentaram consideravelmente. Isso abriu caminho para a aplicação da IA em cenários mais complexos da gestão tributária.

Segundo Mônica Cerqueira, CEO da Make the Way, consultoria de tecnologia especializada em projetos de Inteligência Artificial, a IA desempenha um papel transformador na gestão de tributos: “Por meio da análise de grandes volumes de dados fiscais, a IA identifica padrões complexos e anomalias, possibilitando detectar erros, inconsistências e até mesmo possíveis práticas fraudulentas com maior agilidade e precisão”, afirma.

Na gestão de tributos tecnológica, a IA também permite a automação de tarefas repetitivas e manuais, agilizando processos como cálculos de impostos, preparação de declarações fiscais e reconciliação de dados. Isso reduz a possibilidade de erros humanos e libera tempo para atividades mais estratégicas. Na gestão de tributos antiga, essas tarefas são executadas manualmente, tornando o processo mais demorado e suscetível a erros.

“A gestão de tributos tecnológica pode levar a uma redução nos custos operacionais e no tempo gasto em tarefas fiscais. Isso ocorre devido à automação e à maior eficiência dos processos. Além de ajudar a garantir a conformidade com as regulamentações tributárias, em constante mudança, pois é mais ágil na adaptação a novas regras e requisitos. A gestão de tributos antiga pode enfrentar dificuldades na atualização rápida diante das mudanças legislativas”, comenta Mônica.

Em relação à segurança de dados, para garantir proteção aos dados confidenciais de empresas, como detalhes financeiros e fiscais, a IA trabalha com criptografia, controle de acessos, parceria com fornecedores de tecnologia e demais produtos que garantam segurança. No caso da criptografia, os dados são criptografados em trânsito e em repouso. Isso garante que, mesmo que alguém consiga acessar os dados, eles não possam ser lidos sem a chave de descriptografia.

Para Mônica Cerqueira, além desses pontos, a equipe responsável na gestão deve ser treinada e conscientizada a respeito dos dados e melhores práticas de segurança: “A segurança dos dados deve ser tratada como uma prioridade. A implementação cuidadosa de medidas de segurança ajuda a mitigar riscos e garantir que os dados das empresas sejam tratados de forma confiável e protegida”, finaliza a empresária.

Share This Post

Post Comment