Por Marcelo A. Santos, CEO da Carefy

Nos últimos meses, a área da saúde ganhou diversos recursos a partir da utilização da Inteligência Artificial (IA), principalmente em soluções voltadas à interoperabilidade e interpretação de dados.

A tecnologia na saúde é muito mais que uma onda passageira. Ela permite uma acuracidade na seleção de tratamentos, ajuda no auxílio na identificação de quadros clínicos na análise de exames, entre outras diversas utilidades da IA no setor.

Além disso, diversos players do mercado têm se beneficiado da utilização da IA em suas rotinas. Tanto as operadoras de saúde, como hospitais, laboratórios, UPAs, centros de saúde, clínicas, entre outros.

Isso porque a IA pode ser assertiva em diversos cenários, tais como: predição de indicadores como média de permanência, identificação precoce de quadros de enfermidade (como cânceres), prevenção por complicações e agravamentos, diminuição de falhas humanas, auxílio no reconhecimento de nódulos ainda invisíveis a olho nu, classificação dos nódulos.

Assim sendo, outros benefícios são atingidos ao integrar a inteligência artificial na sua área, pois, consequentemente, ela contribui para a redução de custos, bem como para o gerenciamento e otimização de recursos. Uma vez implementada, a IA se torna uma ferramenta indispensável.

Emprego em sistemas de gestão de internações e auditoria

A gestão de pacientes internados por parte de operadoras de planos de saúde, pode se tornar mais fácil quando a Inteligência Artificial passa a ser uma aliada. Isso graças ao uso de soluções que possibilitam o acompanhamento completo da jornada de um paciente.

Com o emprego da IA, torna-se viável, por exemplo, fazer uma estimativa do tempo médio de internação de um paciente e dos respectivos custos. Isso auxilia na tomada de decisões e, inclusive, permite que seja identificado quando um paciente "ultrapassa" o período anteriormente estimado, bem como demonstra a necessidade de um acompanhamento mais próximo do seu quadro de saúde.