O ECMSHOW Porto Alegre, que ocorre na Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) nesta quinta-feira (22), está apresentando uma série de inovações ao mercado gaúcho. No primeiro painel do dia, o renomado consultor Walter Koch trouxe uma apresentação e ao mesmo tempo a seguinte pergunta: Por que implantar projetos de ECM?

De acordo com o especialista, o desafio atualmente não é gerar conteúdo, mas tirar proveito dele, uma vez que os executivos hoje estão alerta para o bem mais valioso de suas organizações, que é a informação. Conforme explicou, o volume de dados gerado tende a crescer de forma monumental e consequentemente o problema será conseguir extrair informações relevantes para transformar os negócios.

“Enquanto na época de Gutenberg o conteúdo era criado e enviado, hoje, na época de Zuckerberg, as pessoas são chamadas para compartilhar e colaborar na criação dele”, explicou Koch. Com essa mudança, os desafios são: engajar as pessoas, cuidar da segurança, saber usar cloud computing e as redes sociais na linguagem que o público aceita e trazer benefícios para o negócio.

Para o especialista, o mercado já está sentindo a falta de profissionais que entendam essas necessidades e requisitos. “Não é mais uma questão de entender só de tecnologia”, diz. O profissional precisa saber trabalhar com informações tanto em papel quanto digital, a hora certa de digitaliza-las, estruturar o programa de governança da informação, além de entender onde as redes sociais, o big data e a mobilidade podem trazer benefícios para as empresas.

Na sequencia, foi apresentado o case de negócio, por James Rocha, CIO do Grupo Herval.  Em sua apresentação, sobre a automação de análise de crédito do ponto de vista documental, o executivo explicou como ocorre a exigência de acordo com o Banco Central sobre a obrigatoriedade na excelência da gestão de aprovação de crédito com controle de documentação e troca de arquivos, proporcionando maior credibilidade ao processo.

Integrado à solução de crédito e sistema de gestão do Grupo Herval/Taqi, o software de Gestão de Conteúdo da ViaFlow (da IBM) funciona como um repositório centralizado de todos os documentos que compõem o processo. Ele mostrou como a melhoria no gerenciamento dos documentos digitais e digitalizados da Herval trouxe benefícios e redução de custos ao negócio.

A gestão de conteúdo corporativo, área que tem avançado no Brasil pela sua importância no desenvolvimento dos negócios, reúne tecnologias, estratégias, métodos e ferramentas destinadas a capturar, gerenciar, armazenar, preservar e distribuir conteúdo e documentos não-estruturados que envolvem uma organização, como e-mail, nota fiscal, contratos, imagens, etc.

O gerenciamento de todo esse conteúdo, que está fora da base de dados das organizações, é complexo para as companhias de todos portes, uma vez que o volume de informação cresce exponencialmente. De acordo com a consultoria global IDC, o volume de dados deverá crescer 44 vezes até 2020 nas corporações.

A dificuldade em definir políticas de gestão da informação compromete a tomada de decisões nas empresas e, mais que isso, hoje é preciso reduzir custos, principalmente com ativos de informação, cuja base ainda está no papel. O assunto foi discutido pelo consultor Márcio Teschima durante sua palestra.

Para Teschima, tal dificuldade mostra que ainda existe muito a ser melhorado mesmo em empresas que adotaram projetos de gestão da informação e isso abre grandes oportunidades para empresas do segmento de ECM. Segundo o consultor, “é preciso ter um conjunto de fatores e experiências para fazer o negócio funcionar e, mesmo que ainda a base das informações seja analógica (papel), é possível conviver bem com este mundo, sem gerar mais despesas e alcançar resultados”, destacou.

Acompanhe as images do evento