90% das pessoas gostariam de contratos com termos mais fáceis

90% das pessoas gostariam de contratos com termos mais fáceis

Segundo especialistas, AI pode auxiliar quem possui dificuldade com leitura de documentos, sendo capaz de formular resumos de principais pontos e responder às dúvidas dos leitores

À medida que o mundo se torna cada vez mais orientado pela tecnologia, novas soluções têm emergido para auxiliar diversas atividades que, tradicionalmente, são permeadas por alguns entraves. No campo jurídico, inúmeras pessoas enfrentam dificuldades ao tentar entender contratos repletos de termos, linguagem pouco acessível e cláusulas complexas. Neste cenário, a D4Sign, plataforma de assinaturas eletrônicas, desenvolveu algumas funcionalidades para tornar o processo de leitura mais claro a partir da utilização de recursos tecnológicos, como a Inteligência Artificial (IA).

Uma pesquisa recente conduzida pela Bits, empresa especializada em legal design, revelou que a maioria dos entrevistados - tanto leigos quanto advogados - prefere documentos jurídicos mais acessíveis e com linguagem simplificada. O levantamento foi realizado com 463 pessoas, em 20 estados do Brasil, e, desse total, 96% dos entrevistados declararam que os documentos jurídicos precisam ser melhores, enquanto 90% afirmaram que a linguagem utilizada deveria ser mais simples.

A má leitura dos contratos gera sérios riscos para os signatários, podendo levar a interpretações errôneas das cláusulas contratuais, o que resulta em ações que não estão de acordo com as intenções originais das partes envolvidas. Além disso, a problemática também coloca em risco as relações comerciais, visto que a má interpretação das cláusulas pode causar problemas de conformidade, multas e penalidades legais, afetando negativamente a reputação e estabilidade das organizações.

“A complexidade desses documentos pode criar barreiras significativas para as pessoas entenderem seus direitos e responsabilidades. Isso pode levar a mal-entendidos e litígios desnecessários, contribuindo para a falta de transparência e confiança nas transações legais", destaca Rafael Figueiredo, CEO da D4Sign.

Segundo o executivo, a IA está se tornando uma solução crucial para auxiliar a leitura e análise de contratos. “Hoje, já temos funcionalidades que utilizam essa tecnologia para destilar documentos extensos em resumos claros e concisos. Com isso, é possível antecipar informações importantes que estão espalhadas pelo material e destacar seus pontos-chave", diz a respeito do D4Sign.AI, último lançamento da empresa.

Assim, a novidade busca auxiliar as pessoas na compreensão mais clara das nuances legais que estão inseridas nas negociações. “Imagine receber um contrato de várias páginas e, em questão de minutos, compreender os direitos, deveres, condições e implicações, tudo apresentado de forma fácil de entender”, explica Rafael.

A utilização de chatbots alimentados por IA também é outra novidade presente no software de assinatura eletrônica. A ideia da ferramenta é desmistificar as dúvidas dos leitores no que diz respeito aos termos jurídicos e às cláusulas presentes nos documentos. “Os chatbots fornecem esclarecimentos e informações adicionais, respondendo de forma imediata as perguntas feitas pelos signatários. Além de ajudar o leitor, o recurso também tem o potencial de acelerar o processo de negociações, visto que as dúvidas são tiradas de forma instantânea”, afirma o CEO.

“As pessoas precisam compreender plenamente o que estão assinando e, ao tornar os contratos mais compreensíveis e acessíveis, estamos capacitando indivíduos e empresas a tomarem decisões mais conscientes. Porém, é preciso ter em mente que a IA não pode substituir a expertise de um advogado e deve ser utilizada somente como uma ferramenta de apoio e otimização”, conclui.

Share This Post

Post Comment