82% dos consumidores brasileiros se preocupam sobre como empresas usam seus dados

82% dos consumidores brasileiros se preocupam sobre como empresas usam seus dados

Nova pesquisa da OpenText revela a crescente preocupação entre os brasileiros sobre a privacidade e a proteção de dados pessoais desde o início da pandemia. Os resultados do relatório demonstram uma falta geral de conhecimento sobre quais dados específicos são armazenados e por qual motivo, bem como uma falta de confiança em como as organizações armazenam e gerenciam todas essas informações.

A chave para restaurar essa confiança está em uma melhor governança e proteção das informações, combinando uma estratégia robusta de gerenciamento de informações corporativas com segurança em várias camadas e proteção de dados que oferece maior garantia e vantagem de informações.

Destaques da pesquisa

Com a vida pandêmica nos últimos dois anos sendo acompanhada pela adoção generalizada do trabalho remoto e uma mudança geral para realizar atividades cotidianas online, os brasileiros têm se tornado mais cautelosos com quem tem acesso aos seus dados pessoais. Tanto que 82% dizem ter novas preocupações sobre como as organizações estão usando tais informações desde o início da pandemia.

Tal é a força dessas preocupações que 30% dizem que não usariam mais ou comprariam de uma empresa à qual eram leais se ela não protegesse ou vazasse seus dados pessoais. Além disso, 71% estariam dispostos a pagar mais para usar ou comprar de uma organização que estivesse expressamente comprometida com tal proteção.

Nova era de preocupação

À medida que o mundo emerge do pior da crise global de saúde, os brasileiros estão cada vez mais preocupados com a forma como seus dados estão sendo gerenciados e protegidos nesse novo normal. Na verdade, 90% se preocupam mais com seus dados pessoais agora que as organizações operam modelos de trabalho híbridos e remotos, com metade (50%) esperando que essas organizações garantam que tudo esteja seguro, não importa de onde seus funcionários trabalham.

“Desde que a pandemia ocorreu no início de 2020, as preocupações dos consumidores sobre onde e como seus dados pessoais estão sendo usados estão aumentando. Também estamos vivendo em uma época de mudanças regulatórias sem precedentes, com regulamentações rigorosas de privacidade de dados crescendo e evoluindo rapidamente em todo o mundo”, destaca Roberto Regente Jr., vice-presidente da OpenText para América Latina e Caribe.

Ele acrescenta ainda que, embora a necessidade de proteger informações pessoais tenha se tornado uma missão crítica em todos os setores da indústria e traga vários desafios de conformidade, também apresenta uma oportunidade. “Ao resguardar os dados dos clientes, as organizações podem proteger sua confiança, garantindo fidelidade contínua à marca”, relata

A confiança ainda não está lá

A privacidade dos dados é claramente importante para os consumidores, embora 35% não saibam quais dados específicos são usados, armazenados e acessados pelas organizações. No entanto, 71% disseram que ainda pagariam mais por uma empresa ou terceiro para manter suas informações seguras - apesar de uma ligeira queda de 75% dos que disseram o mesmo em uma pesquisa semelhante da OpenText realizada em março de 2020.

Isso talvez não seja surpreendente, já que apenas 22% dos entrevistados no Brasil confiam totalmente em todas as organizações com as quais interagem para manter essa segurança, enquanto pouco mais da metade (53%) confia na capacidade de algumas empresas. É importante ressaltar, é claro, que a lealdade depende da confiança. Uma vez que a confiança de um cliente é quebrada, o mesmo acontece com sua lealdade a uma marca. 23% dos consumidores não usariam mais ou comprariam de uma empresa à qual eles eram leais se ela não respondesse a uma requisição de acesso aos dados do titular (DSAR, na sigla em inglês) – incluindo, entre outros, o direito de ser informado, o direito de acesso, o direito de retificação e o direito de apagamento – enquanto 27% não usariam mais ou comprariam de uma empresa se ela compartilhasse seus dados pessoais com terceiros para outra finalidade que não fosse sua especificada.

Interesse-se pelas leis de privacidade de dados

A crescente conscientização das leis que cercam a privacidade e a proteção de dados significa que as empresas não podem se dar ao luxo de brincar com os dados dos consumidores. 64% dos consumidores brasileiros dizem ter uma vaga ideia sobre as leis de privacidade de dados – um aumento de 60% no início da pandemia.

Curiosamente, no entanto, o número de brasileiros que professam estar muito cientes das leis que protegem sua privacidade de dados diminuiu nos últimos dois anos – de 30% no início de 2020 para 26% em 2022. Isso sugere que, embora possa haver um melhor conhecimento geral sobre as leis de privacidade de dados, é necessária mais educação sobre regras e regulamentos específicos.

De forma encorajadora, e talvez motivada por essa crescente conscientização e, de fato, pela falta de confiança nas organizações, 80% dos consumidores sabem como manter seus dados seguros nos aplicativos, contas de e-mail e contas de mídia social que usam. Apesar disso, apenas pouco menos da metade (49%) verifica regularmente para garantir que estão seguindo as melhores práticas para manter seus dados privados e seguros, por exemplo, ativar as configurações de privacidade, desativar a geolocalização etc.

“Nunca houve uma necessidade tão grande de soluções de gerenciamento de informações empresariais que não apenas suportem a conformidade com as leis de privacidade e proteção de dados, mas também forneçam vantagem competitiva e diferenciação para manter a fidelidade do cliente”, comenta Regente Jr.

Regente Jr. acrescenta que as empresas precisam promover uma abordagem integrada e centrada em dados para governança de informações e gerenciamento de privacidade, aproveitando as ferramentas de descoberta e classificação para mitigar os riscos associados à maneira como lidam com a privacidade e os dados confidenciais, além de proteger o conteúdo com recursos mais fortes de classificação e retenção. “No mundo pós-pandemia de hoje, as organizações devem desbloquear sua vantagem de informações para proteger as informações de seus clientes e, ao fazê-lo, aliviar suas preocupações e manter sua confiança”, finaliza.

Para obter mais informações sobre os resultados da pesquisa de privacidade de dados e uma análise aprofundada dos resultados globais desta pesquisa, visite nossa postagem no blog aqui.

Metodologia

Esta pesquisa foi realizada pela 3Gem em março de 2022. Encomendada pela OpenText, 27.000 consumidores foram entrevistados anonimamente em todo o mundo, no Brasil, Reino Unido, EUA, Alemanha, Espanha, Itália, França, Austrália, Canadá, Cingapura, Índia e Japão. A pesquisa do Brasil entrevistou 2.000 entrevistados para entender as perspectivas dos consumidores sobre privacidade de dados após a pandemia.

A pesquisa de 2020 mencionada neste press release foi realizada por meio do Google Surveys de abril a maio de 2020 e entrevistou 2.000 entrevistados do Brasil. Encomendado pela OpenText, 12.000 pessoas foram entrevistadas anonimamente no Canadá, Reino Unido, França, Alemanha, Espanha, Austrália e Cingapura.

Share This Post

Post Comment