Como evitar os impactos do Apagão 2.0 através da automação

Como evitar os impactos do Apagão 2.0 através da automação

Por Fernando Baldin, country manager LATAM da AutomationEdge

No Brasil, a economia e o mercado de trabalho estão diante de um fenômeno preocupante e familiar: o retorno do 'apagão de mão de obra'. Similar ao cenário de 2013, quando a falta de trabalhadores qualificados desafiou diversos setores, hoje nos deparamos com uma realidade semelhante. A taxa de desocupação, segundo a pesquisa do IBGE PNAD atingiu o patamar de 7,6%, muito próximo dos patamares de 2013 e 2014 de 7,1% sinalizando uma potencial repetição do passado, seria esse o Apagão 2.0?

Casos, como o do restaurante tradicional em Curitiba, que com 40 vagas ofertadas e salários atraentes, apenas três candidatos apareceram para o mutirão de contratação, não são ocorrências isoladas. Empresas em várias cidades brasileiras, como São Paulo e Rio de Janeiro, enfrentam dificuldades similares.

O 'apagão de mão de obra' não impacta apenas a contratação, mas também a capacidade de inovação das empresas. Segundo os dados da consultoria internacional de recursos humanos ManPowerGroup, com base em cerca de 40 mil entrevistas em 40 países, em 2012, o Brasil estava em segundo lugar em escassez de mão de obra qualificada, com 71%. Em 2022, 81% das empresas relatam dificuldades em encontrar profissionais especializados, um número superior à média global de 75%. Setores como finanças e TI são particularmente afetados, com a expectativa de gerar centenas de milhares de vagas nos próximos anos, mas com dificuldade em preenchê-las.

Mas e agora?

Diante desse cenário, a automação e a digitalização de processos surgem como soluções estratégicas. Estas tecnologias não apenas ajudam a suprir a falta de mão de obra, mas também aumentam a produtividade e criam diferenciais competitivos. Líderes empresariais precisam entender o papel estratégico destas inovações para promover a evolução e sustentabilidade de suas organizações. 

A adoção dessas tecnologias é uma resposta proativa ao desafio atual. Empresas que investem em automação e digitalização podem não apenas evitar os problemas enfrentados uma década atrás, mas também se posicionar à frente dos concorrentes que não o fizerem. Em um mundo cada vez mais digital e automatizado, a inércia pode resultar em custos elevados e limitação do crescimento.

Acredito que todo líder empresarial deva entender a urgência dessa situação. A espera pelo efeitos do 'Apagão 2.0' pode ser custosa e limitante. A situação atual exige uma resposta rápida. As organizações que se adaptarem agora estarão melhor posicionadas para enfrentar os desafios futuros, enquanto aquelas que hesitarem podem se encontrar em uma posição desvantajosa que pode culminar em muitos desafios e até uma inviabilidade do seu negócio. A questão sobre automação é COMO começar, e não mais, SE vale a pena iniciar.

*Fernando Baldin é formado em Relações Públicas, com Pós-graduação em Administração de empresas, há mais de 20 anos com Service Desk e Serviços de TI.

Share This Post

Post Comment