Essa é aquela época do ano em que as pessoas me pedem para analisar a indústria do ECM em 2009. O que posso dizer é que existem três chaves para se olhar em 2010, cada uma delas terá um notável impacto sobre o setor. 

[private] A primeira será o lançamento do Sharepoint 2010 pela Microsoft. Ainda o mais popular sistema de ECM de todos os tempos com vendas de 1,3 bilhões de dólares ao ano, e mais de 100 milhões de cópias vendidas até hoje, com promessas de mais vendas para 2010.

O importante é que das mais de 100 milhões de licenças vendidas significam clientes satisfeitos, muitos felizes de verdade, mas outros nem tanto assim. Esta escalada de sucesso do Sharepoint expôs  muitas fragilidades do produto, a maneira como é vendido e suas limitações. Para 2010 espera-se  que se revertam muitas dessas deficiências e, a ansiedade já começa a ganhar força, quase um ano antes da data oficial de lançamento. Bom ou ruim, 2010 será o ano do Sharepoint.

Ainda para 2010 veremos pela primeira vez o surgimento de um verdadeiro padrão para a indústria do ECM.  Nos últimos estágios de aprovação e conversão para especificação de padrões, CMIS – Content Management Interoperability Specifition (Gerenciamento de Interoperabildiade de Especificação de Conteúdo) está pronto para marcar época. Desenvolvido conjuntamente pela EMC, Microsoft, IBM e Oracle (juntamente com uma série de pequenos distribuidores) o CMIS tem o apoio de todos os principais desenvolvedores de produtos ECM e já antes de se tornar um padrão real, já está sendo solicitado pelos compradores e usuários de sistemas de ECM.

O CMIS é exatamente o que ele diz que é, um padrão simples para permitir a partilha e gestão conjunta de conteúdo (documentos) entre os sistemas. Para grandes organizações, em particular, as que possuem múltiplos sistemas ECM é um sonho que se torna realidade, e para os compradores de novos sistemas, é o padrão que poderá ter suporte de qualquer fornecedor, de modo que eles poderão evitar bloqueios dos sistemas.

A terceria chave que pode ser um pouco mais difícil de observar, mas que não passará despercebida no entanto, é o aumento contínuo dos fornecedores de ECM, fora dos EUA. Esta indústria tem sido dominada pelos gigantes de vendas nos Estados Unidos, mas as coisas estão mudando. E rápido. Fornecedores europeus como Alfresco, Fabasoft, EVER e Nuxeo estão crescendo muito atualmente e estão demonstrando inovações tecnológicas muito além que as de seus competidores americanos.

A Índia está produzindo mais produtos de ECM, e os produtos de localidades distantes como Cingapura e Malásia aparecem quase que um por semana. Como a tecnologia tornou-se mais aberta e padronizada, ao invés de grandes fornecedores como IBM e Oracle dominarem o cenário abriram a porta para as pequenas empresas locais para tornarem-se inovadoras e que assim possam desenvolver produtos que atendam às necessidades locais, sensibilidades, regulamentos e culturas. O modelo norte-americano de “tamanho único” – um produto que serve para todo mundo – é abordagem já não tão relevante ou necessária, como já foi no passado.

O orçamento de 2010 vai ver-se um pouco mais livre do que em 2009, e a necessidade de ferramentas de ECM estará crescendo cada vez mais forte. Embora alguns possam falar sobre consolidação das empresas Top, neste mercado, acredito que eles não estão conseguindo perceber o grande número de novas companhias que visam atender o mercado de médias e pequenas empresas.  O ano de 2010 será o ano do Sharepoint com certeza, mas será também um ano de abertura e uma oportunidade para novos e futuros fornecedores de nível global. [/private]

 

* Texto escrito por Alan Pelz-Sharpe, analista-chefe do CMS Watch, autor e avaliador de produtos para o CMS Watch E-mail Archiving Report e para o CMS Watch ECM Suites Report.