O setor de Business Intelligence atualmente precisa levar em conta não apenas informações internas, mas também tudo que acontece nas redes sociais com relação a sua marca. A MicroStrategy é uma empresa de soluções em BI que oferece ferramentas para monitorar essas novas mídias de forma acessível para empresas de todos os  portes.

As grandes empresas podem contar com servidores físicos, enquanto as pequenas e médias podem optar por serviços de análise de dados em nuvem, que, dependendo do caso, podem até utilizar a solução da MicroStrategy de forma gratuita.

Conversamos com o vice-presidente da empresa para a América Latina, Flavio Bolieiro. Confira abaixo a entrevista com o executivo na íntegra.

Information Management: Como é possível focar as ferramentas de BI dentro no setor de gestão da informação?
Flavio Bolieiro: A gestão da informação engloba atualmente o ambiente corporativo e mídias sociais. O importante em uma ferramenta de BI é interagir com os dados da empresa e também com os das redes sociais. A gestão da informação ficou muito mais ampla. o grande trunfo é ter um ambiente que ofereça uma visão 360º dos clientes, analisando todas as informações disponíveis sobre a empresa, relacionamento, engajamento em redes socais e afins. Com o BI é possível obter a integração completa de todos esses ambientes. Quando cruzamos dados de bases heterogêneas, o BI fica mais rico. O Business Intelligence democratiza as informações em empresas de todos os portes. É possível conhecer mais o cliente

IM: Como fornecedor, como você enxerga o mercado brasileiro e o latino-americano?
Flavio Bolieiro: O mercado vem ganhando maturidade. Antes, víamos que o pessoal de TI sabia da importância do BI. Mas a utilização era tímida. Hoje, vemos uma maturidade muito maior das empresas. Antigamente, havia interesse, mas os dados eram usados apenas de uma forma operacional. Atualmente,  há análise de informações para descobrir coisas como "o que eu posso fazer para vender mais"?, "o que pode ser bom para o meu cliente?", "qual produto tem mais probabilidade de uma venda casada?"

Com isso é possível maximizar a receita, atingir o seu público alvo e até mesmo cortar custos: analisando onde a produção demora mais, onde há fraudes, perdas de distribuição ou carga. Com essas respostas, há uma economia.

Outro fator que ajuda o mercado de BI é a indústria mobile. Os dispositivos móveis melhoram muito as ferramentas de BI, os gerentes podem acompanhar e interagir com essas informações em qualquer lugar. Se um diretor está esperando um avião, ele pode ver os dados e tomar uma decisão ou operações mais complexas como aprovar operações financeiras.

O fenômeno da mobilidade e o fato de poder usar smartphones para fazer consultas e analises são pontos-chave para o BI atualmente. Cada vez mais é preciso tomar decisões baseando-se em informação, não dá mais para tomar decisões em feeling ou conhecimento. O BI é fundamental para todo mundo.

IM: Qual é o perfil das empresas que usam ferramentas de Business Intelligence?
Flavio Bolieiro: Todas as empresas. Claro que há aquelas que adotam antes, especialmente as do segmento financeiro, bancos, varejo, empresas de comunicação, entre outras. No entanto, temos clientes em todos os segmentos, como hospitais, indústrias de pequeno porte. Até mesmo a editora Abril é um dos nossos clientes.

IM: Se as grandes empresas já uitilizam o BI, como as pequenas e médias empresas podem utilizar esse serviço?
Flavio Bolieiro:
Há varias formas de BI, é possível comprar a estrutura ou usar o BI em nuvem. Os clientes pagam uma taxa anual - oferta como serviço cloud. não é preciso instalar produtos ou hardware, nem mesmo banco de dados. basta colocar os dados que vc tiver e colocar na nuvem para ser analisada. No auto-atendimento em BI -- como chamamos na empresa -- disponibilizamos a ferramenta, mas é preciso que as companhias se cadastrem e publiquem esses dados na nossa nuvem para então,  em questão de algumas horas, ter uma analise.

Tudo feito com custo baixo ou até sem custo, dependendo da necessidade da empresa. Mesmo os serviços pagos podem ser adquiridos financeiramente por qualquer dono de restaurante, por exemplo.