Na virada do ano, as pessoas aproveitam para rever suas vidas, reavaliar pontos pessoais e profissionais. É época de reflexão, de pensar em mudanças, em como podemos melhorar nossas vidas em vários aspectos. Em relação à carreira e ao desenvolvimento profissional, cada vez mais o empreendedorismo se consolida como uma opção. Estamos vivendo um período de transformações em decorrência das novas tecnologias. 

Modificações profundas nas relações entre capital e trabalho deixam cada vez mais clara a tendência de empreender como alternativa para o crescimento profissional.
Mas, onde estão as melhores oportunidades de empreendedorismo para cada pessoa? Como fazer essa transição de uma carreira corporativa para uma carreira empreendedora?

O primeiro passo nesta caminhada é buscar o autoconhecimento: Quais são meus pontos fortes? Quais são meus pontos fracos? Quais são as atividades nas quais eu me destaco profissionalmente ou pessoalmente? O que eu realmente amo fazer? O que eu gostaria de fazer todos os dias da minha vida, que eu faria até mesmo de graça, se não precisasse trabalhar? 
Estas são algumas perguntas que podemos fazer para nós mesmos, para tentar refletir sobre nossa vocação e nosso propósito para empreender. 

O segundo passo dessa caminhada é pesquisar, dentro da área que você tem vocação e propósito para empreender (gastronomia, saúde, educação, varejo etc.), quais são as tendências, que tecnologias estão transformando essa área, que tipo de produtos ou serviços estão fazendo sucesso ou ainda devem fazer sucesso nos próximos anos. Precisamos alinhar o que gostamos de fazer com atividades que tenham viabilidade de negócios, que tenham possibilidade de trazer retorno sobre nosso investimento.

Outro ponto importante é a capacitação prévia do empreendedor. Além de pesquisar a área na qual pretendemos empreender, que tipo de produto ou serviço vamos comercializar, é preciso desenvolver competências e habilidades técnicas e administrativas. Às vezes, o empreendedor já tem bons conhecimentos técnicos na área que pretende empreender, mas precisa desenvolver competências administrativas tais como conhecer um pouco de finanças e marketing, por exemplo. A educação continuada é uma realidade. Precisamos estar sempre nos atualizando. Há também a possibilidade de buscar sócios com competências complementares às nossas. É sempre bom ter uma equipe com pessoas que se complementam. 


Independentemente da área que pretendemos empreender, o próximo passo é acrescentar inovação e tecnologia ao empreendedorismo. As tecnologias estão trazendo oportunidades para melhorar diversos produtos e serviços em todas as áreas (transporte, saúde, educação, serviços financeiros etc.) e esta inovação é essencial para a criação de negócios de sucesso. A dica é pesquisar sobre estas tecnologias e como podemos melhorar o que já existe na área que pretendemos empreender. 

Seguem algumas tecnologias que estão em alta e precisam ser olhadas com muita atenção: Inteligência Artificial, Internet das Coisas (Internet of Things - IoT), Software as a Service (SaaS), aplicativos para celulares que sejam inovadores, Serviços de Automação (Robótica), Segurança Digital, Marketing Digital com análise de dados, Realidade Virtual e Aumentada, Impressão 3D, dentre outras. 

Essas tecnologias têm o poder de transformar os produtos, os serviços, as empresas e a sociedade na forma como conhecemos hoje. O empreendedor não precisa ser um cientista com profundo conhecimento dessas tecnologias para utilizá-las nos seus empreendimentos. É preciso saber o que é cada uma delas, como elas podem ser empregadas, como elas podem trazer inovação com valor agregado, quem seriam os fornecedores ou parceiros que podem implementar essas tecnologias. Desta forma, a inovação potencializará o sucesso da sua empresa.

Prof. Dr. Cláudio Carvajal - Coordenador acadêmico na FIAP. 
Especialista em inovação e cultura digital.

Fonte: DINO, Divulgador de Notícias