Por Lisa Wee, Diretora de Sustentabilidade da AVEVA

A sustentabilidade escalou rapidamente o topo da agenda corporativa com o início da pandemia. Os eventos do ano passado elevaram a importância dos padrões ambientais, sociais e de governança (ESG), dado que as empresas passaram a olhar para além dos lucros de curto prazo e para um futuro melhor. Trata-se de uma tendência que vem ganhando força nos últimos anos e que continuará a crescer à medida que o desempenho socioambiental aproxima-se do centro das operações de negócios. Ao longo da última década, as empresas têm sentido, cada vez mais, o peso da responsabilidade de demonstrar que se preocupam com o meio ambiente, preocupação esta que se reflete nos interesses das comunidades, dos investidores e dos órgãos reguladores.

De certa forma, a pandemia acelerou essa tendência. A maioria das empresas em todo o mundo - inclusive no setor industrial - adotou os padrões de relatórios de sustentabilidade. De acordo com uma pesquisa recente da KPMG Impact, realizada entre julho de 2019 e junho de 2020, cerca de 80% das empresas em 52 países agora relatam sobre possuem relatórios de métricas de sustentabilidade em proporção 5% superior a 2017. Embora a América do Norte tenha a maior taxa de relatórios nesta métrica-chave (90%), percebe-se um aumento considerável por parte de empresas localizadas na França, Malásia, Índia e Japão.

Mas os relatórios de sustentabilidade são apenas o começo. Na próxima década, acreditamos que a sustentabilidade se tornará essencial para os modelos de negócios industriais em toda a cadeia de valor - desde o fornecimento e questões relacionadas à cadeia de suprimentos até a linha de produção e o fim do ciclo de vida dos ativos. O futuro pertence às empresas que aproveitarem ao máximo a inteligência para promover uma relação ganha-ganha para os negócios e para o meio ambiente, bem como para capacitar as futuras gerações de força de trabalho e apoiar modelos de trabalho mais eficientes, conectados e, principalmente, mais sustentáveis.

Em função da relação simbiótica existente entre elas, digitalização e sustentabilidade podem ser vistas como duas faces de uma mesma moeda. Soluções de software para digitalização oferecem suporte à criação de valor sustentável de longo prazo, que pode beneficiar mutuamente as pessoas e o planeta, ao integrar nossos amplos e profundos recursos especializados na escala e no escopo da nuvem para fornecer novos insights e formas de trabalho digitalmente transformadas. O resultado é uma engenharia aprimorada, bem como operações e resultados de desempenho que também podem trazer diversos benefícios ambientais e sociais para os clientes.

Mas incorporar sustentabilidade ao negócio leva tempo. A abordagem mais adequada consiste em encarar o processo como uma jornada, e, sob esse aspecto, alinhar as prioridades e promover uma auditoria das capacidades atuais é o ponto de partida, além de avaliar os recursos tecnológicos já instalados.

Para empresas industriais que buscam tornar suas operações mais sustentáveis, a digitalização estabelece os fundamentos para uma compreensão mais profunda das oportunidades, permite o monitoramento em tempo real e acelera o progresso geral. Como tal, geralmente é a próxima etapa natural para muitas empresas, mas, conforme cada negócio avança em sua jornada de sustentabilidade, o processo continuará a revelar novas maneiras de aproveitar o poder da tecnologia digital para reduzir a pegada ambiental do negócio e contribuir para a sociedade.

Alguns benefícios da digitalização podem ser percebidos quase imediatamente. Por exemplo, desenvolvemos, em conjunto com a equipe da fábrica inteligente da Schneider Electric localizada em Batam, na Indonésia, um software de gerenciamento enxuto que permitiu que a fábrica agilizasse suas operações na nuvem e se tornasse um Farol da Quarta Revolução Industrial (4IR) do Fórum Econômico Mundial, um reconhecimento relevante de que a instalação é uma das fábricas mais avançadas do mundo.

Ao colocar os dados nas mãos da equipe que opera as instalações, a eficiência operacional foi aprimorada por meio do rastreamento de desempenho em tempo real e do escalonamento digital para tomada de decisão mais rápida. Como resultados, a fábrica alcançou uma redução de 44% no tempo de paradas não programadas, com zero de aumento no prazo de entrega aos clientes, e ainda alcançou uma economia energética de 21%.

Da mesma forma, um grande player global no setor de energia conseguiu economizar US$ 1 bilhão com a implantação e digitalização de sua cadeia de valor e dados com a ajuda da AVEVA.

O software industrial inteligente desempenha um papel importante para assegurar uma maior sustentabilidade, inclusive ajudando as empresas a reduzirem suas emissões por meio de processos mais circulares, e avançar na rastreabilidade e na qualidade do produto. À medida que a Indústria 4.0 ganha força, a próxima etapa será para que os consumidores e empresas encontrem novas maneiras de colaborar e usar a riqueza dos dados agora disponíveis para acelerar o progresso no cumprimento de metas de sustentabilidade chave, como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU para 2030, e limitar o aquecimento global a 1,5˚C. Só então saberemos realmente se estamos no caminho certo para um futuro mais sustentável.