Por José Jarbas*

Estudo realizado pelo software de CRM social, eCRM123, foi citado no mais recente artigo que Ryan Holmes, CEO do HootSuite, escreveu para o portal da revista americana Forbes. O HootSuite é um dos principais aplicativos para gerenciar redes sociais. “O futuro da mídia social: esqueça os EUA e olhe para o Brasil” retrata o cenário atual das redes sociais no âmbito global e discute como os brasileiros estão se tornando experts no assunto, tanto pela quantidade de pessoas conectadas quanto pelas iniciativas de marketing e comunicação desenvolvidas aqui.redes sociais

Utilizando os dados divulgados pelo eCRM123, que indicou que 77% dos brasileiros entrevistados veem de maneira positiva a compra por meio das redes sociais, o executivo ressalta o poder de influência que esses ambientes exercem no consumidor brasileiro. “Com a saturação das redes sociais nos EUA e Europa, as restrições de acesso à informação imposta pela China e o início da revolução da internet na Índia, o Brasil é cotado como a capital universal das redes sociais”, escreveu ele.

Uma das razões apontadas no texto seria a nossa natureza e cultura sociáveis que, aliadas à popularidade dos smartphones em todas as camadas da população, possibilitam a penetração das redes sociais em lugares distantes dos grandes centros. Dois exemplos citados por Holmes valem ser relembrados: o primeiro remonta à página Xingu Vivo, na qualos índios do Xingu denunciam a controversa instalação da hidroelétrica na região de Belo Monte para o resto do mundo. E outro, igualmente curioso, destaca o fato de a internet estar disponível no País mesmo em lugares em que água encanada e a eletricidade ainda nem chegaram.

Segundo o artigo, o Brasil já soma 78 milhões de pessoas nas redes sociais (79% das pessoas que têm acesso à internet) com mais de 65 milhões de usuários no Facebook. Além disso, é o 2º maior país em usuários no Twitter e maior mercado para o Youtube, atrás dos EUA.  Isso sem contar os recordes de audiência e interação em outras grandes redes sociais e comunidades virtuais na Web. Números que impressionam tanto que fizeram com que Facebook, Linkedin, Twitter, Google e outras grandes empresas digitais abrissem ou expandissem seus escritórios no Brasil recentemente, confirmando a importância do mercado brasileiro em suas estratégias globais.

Ainda assim, marcas como Bradesco, Coca Cola, L’Oréal ou a Nike investem pouco em publicidade digital se considerarmos que a média mundial de recursos destinados é quase o dobro da praticada aqui, onde o foco dos anunciantes é aa televisão, que recebe 67% dos orçamento de comunicação das empresas.

A estimativa é que nos próximos 3 anos os investimentos em publicidade ultrapassaram os dos demais países do BRIC. E que, durante os grandes eventos que iremos receber, como a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016, as marcas voltarão atenção para o mercado local. E sobre este assunto, o eCRM123 tem números interessantes a divulgar aqui.

*José Jarbas é CEO da eCRM123